Possível fim da Calypso causa comoção de fãs

A Banda Calypso, a maior da atualidade no Brasil, pode estar com seus dias contados. A cantora e fundadora do grupo, Joelma Mendes, disse no sábado, no Recife (PE), em apresentação na festa junina do São João da Capitá, que pretende se dedicar exclusivamente "à obra de Deus" no próximo ano. A declaração causou comoção nas redes sociais.

JOTABÊ MEDEIROS, Agência Estado

11 de junho de 2013 | 10h08

Ontem (10), a assessoria de imprensa do Calypso apressou-se a negar a notícia do fim do grupo. Segundo informou a assessoria, Joelma, que é evangélica, de fato vai gravar um disco de música gospel, mas a banda tem compromissos até 2015 e não pretende se dissolver. O guitarrista Chimbinha, também fundador do grupo e marido de Joelma, também negou a separação e disse que o "Calypso nunca vai acabar". Ele está em vias de gravar um disco de guitarrada instrumental, segundo seus assessores.

Mas é um desmentido cercado de contradições. A cantora Natália Sarraf Mendes, filha mais velha de Joelma, afirmou em sua página no Facebook, logo após o desabafo da mãe, que sabia o que se passava no coração de Joelma e que a apoiava na decisão. Ante a reação emocional de alguns fãs, Natália declarou: "Só acho assim: ninguém morreu, pelo contrário, acaba de nascer uma nova vida, a vida que Deus escreveu muito antes do nascimento. Então vamos parar de falar bobagens e agradecer a Deus! Pois tudo nessa vida só acontece se Ele permitir, e tudo é para Sua glória. Só sei dizer que estou feliz, feliz por saber que a pessoa que mais amo está feliz".

Conforme a assessoria do Calypso, o grupo deve se apresentar no próximo sábado (15) em Benevides, no Pará, e em seguida tem shows quase todos os dias, o que confirmaria o prosseguimento de suas atividades. Também tem gravação de um DVD agendada e vai gravar um CD em espanhol em Miami. "É normal que (Joelma) fique cansada, que demonstre algum estresse, alguma coisa", afirmou um assessor. A cantora tem 38 anos (completa 39 anos no próximo dia 22).

Formada em 1999, a banda Calypso está no seu 19º álbum e, não raro, consegue aglomerar multidões de mais de 50 mil pessoas. Utiliza sistemas de distribuição independentes, e não tem total controle sobre o número de cópias que vende, mas admite-se que são milhões. Em abril, no aniversário de Cuiabá, o grupo se apresentou para 80 mil. Já fez turnês pela África, Europa e América do Norte e seu som funde carimbó, salsa, cumbia, tecno, rock e lambada.

Joelma tem se desgastado no relacionamento com o público, devido à religião. Recentemente, ela foi criticada por ter demonstrado preconceito em relação à homossexualidade. Uma nota tentou explicar. "Embora a religião seguida por Joelma não apoie o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a cantora respeita e aceita a opção sexual de todas as pessoas, fãs e amigos, não tendo por ninguém preconceito de religião, sexo e cor."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicabanda Calypso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.