"Portões", de Christo, rende US$ 80 milhões a NY

Os hotéis ficaram cheios e todos, desde motoristas de táxi a instituições culturais viram um crescimento nos negócios durante os 16 dias em que a instalação The Gates, de Christo e Jeanne-Claude, ficou montada no Central Park, disse o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg. "Não se encontrava um quarto na cidade", disse Bloomberg durante um entrevista a uma emissora de rádio.A cidade estimou que The Gates, que ficou montada de 12 a 27 de fevereiro, gerou mais de US$ 80 milhões em rendimentos e US$ 2 milhões em impostos. O prefeito ia apresentar o resultado do impacto do projeto na economia da cidade em uma coletiva de imprensa no Mickey Mantle´s, um restaurante no Central Park South. O dono do restaurante, Bill Liederman, disse que os negócios aumentaram em 50% durante a exibição de The Gates. Ele disse que quando viu pela primeira vez a obra, 7.503 painéis de tecidos laranja que ocuparam 37 quilômetros de trilhas do parque, ele reagiu negativamente, mas que o projeto atraiu visitantes e ajudou seu negócio num período de movimento fraco. "Eles vieram para cá por causa de The Gates", disse Liederman.Bloomberg disse ontem que o projeto de mais de US$ 20 milhões, que foi financiado pelos artistas Chisto and Jeanne-Claude, beneficiou as instituições culturais de todos os cinco bairros ao redor do Central Park. "Qualquer pequena loja, em qualquer lugar perto do parque dirá que os negócios melhoraram muito", ele disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.