"Por Trás da Fama" conta a vida de Falabella

Miguel Falabella é o convidado do Por Trás da Fama - que será exibido hoje pelo Multishow (Net/Sky), às 21h30. O programa conta detalhes da carreira, curiosidades da vida pessoal e principais trabalhos deste ator, escritor e diretor. Durante uma entrevista realizada no jardim de sua casa, no Rio de Janeiro, Falabella relembra o começo da carreira de ator, quando estudou teatro no Tablado e freqüentou o curso de Letras. Durante o papo, ele mostra imagens de arquivo pessoal, atuando em peças teatrais, como Batalha do Arroz num Ringue para Dois, de Mauro Rasi, em 1986.Como escritor e diretor, Falabella explica o motivo de ter escrito A Pequena Mártir de Cristo Rei para Eva Todor, e como foi o processo de criação dos sucessos Como Encher Um Biquíni Selvagem, encenado por Cláudia Jimenez, e A Partilha, um dos textos de maior sucesso de Falabella, e que já foi encenado em quatro outros países além do Brasil.Acostumado a escrever sozinho, Falabella ganhou uma parceira de idéias ao conhecer Maria Carmem Barbosa. Pelas quatro mãos nasceram dois novos trabalhos: a peça O Submarino e a novela Salsa e Merengue, exibida pela Rede Globo.O programa fala ainda sobre a infância do artista na Ilha do Governador, as reuniões da família tipicamente italiana e a época do colégio. "Eu vim de uma família tão feliz que isso só poderia me levar a fazer comédia", explica ele. "O que eu gosto de fazer é entreter as pessoas."Na tevê, Miguel atuou em várias novelas e minisséries, destacando-se em três trabalhos como vilão: o psicopata Donato, em As Noivas de Copacabana (1992); como Mauro da novela Cara e Coroa(1995); e Raul, em A Viagem (1997), de Ivani Ribeiro. Hoje, além de comandar o Video Show, pela Rede Globo, ele dá vida ao esperto Caco Antibes, no humorístico Sai de Baixo.O Por Trás da Fama traz ainda depoimentos de amigos do ator, como o diretor Mauro Rasi, a roteirista Maria Carmem, e os atores Stella Miranda, Guilherme Karan e Jacqueline Laurence. A direção do especial é de Marcus Vinícius Cezar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.