'Por Toda a Minha Vida' faz homenagem a Dolores Duran

Atriz Nanda Costa foi a escolhida para viver a intérprete de músicas como 'A Noite do Meu Bem' e 'Solidão'

Agência Estado,

17 de julho de 2008 | 10h16

O programa Por Toda a Minha Vida, da Globo, que vai ao ar hoje, às 23h30, vai homenagear a cantora Dolores Duran, intérprete de músicas como A Noite do Meu Bem, Solidão e Castigo. A atriz Nanda Costa, 21 anos, foi a escolhida para viver a cantora. O programa busca resgatar histórias e curiosidades de personalidades da música popular brasileira, às vezes pouco conhecidas da nova geração de telespectadores. O formato 'docudrama' ainda alimenta a memória do público e dos fãs.A vida e a obra de Elis Regina, Leandro, Tim Maia, Nara Leão, Renato Russo e Mamonas Assassinas já foram retratadas. O bom desempenho no Ibope (média de 26 pontos de audiência) do episódio com o Mamonas rendeu espaço fixo na programação da emissora. Chacrinha, Claudinho (da dupla Claudinho & Buchecha), Cássia Eller e Clara Nunes são os próximas da lista. "A idéia é biografar a pessoa pela perspectiva de quem conviveu com ela. Seria fácil pegar um historiador para contar a história, mas a gente não quer. Quer mostrar a vida privada do artista", afirma George Moura, que faz a redação final.A equipe da atração é formada por pesquisadores e repórteres. Cada episódio consome dois meses de produção. A pesquisa reúne material sobre o homenageado e a reportagem vai a campo colher depoimentos de familiares e amigos. O programa bruto tem, em média, 15 horas de gravações, mas apenas uma hora vai ao ar.Dolores Na noite dedicada a Dolores Duran, o programa mostrará como a cantora e compositora de origem humilde, que nasceu Adiléia, no bairro da Saúde, no Rio de Janeiro, superou uma febre reumática que comprometeu seu coração, aos 8 anos, e ganhou fama nas boates cariocas e no rádio. Já adolescente, participou de programas de calouros e de radionovelas. Ainda fez peças infantis no teatro. A voz suave encantava o público e as belas composições renderam parcerias com Tom Jobim e Billy Blanco. Gravou 20 discos. Em outubro de 1959, a carreira foi interrompida, aos 29 anos, no auge, quando o coração parou de bater. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
televisãoGloboDolores Duran

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.