JON TYSON/UNSPLASH.COM
JON TYSON/UNSPLASH.COM

Por que procrastinamos mais na quarentena?

O hábito de deixar para depois as tarefas desconfortáveis encontrou terreno fértil durante o isolamento social

Ana Lourenço, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2020 | 16h00

Esta reportagem começou a ser produzida há algumas semanas, mas outras prioridades surgiram, então ela ficou para depois. Sabe como é, né? Cuidar da casa, da cachorra, lavar os legumes, outras matérias para serem entregues, mídias sociais… Enfim, não deu para fazer antes. Pelo menos são essas justificativas que procrastinadores, assim como eu, dão quando não realizam uma tarefa. Se a procrastinação antes da pandemia era algo pontual, a alteração da rotina durante a quarentena surgiu como terreno fértil para adiar tudo o que é desconfortável para depois.

“Temos a falsa sensação de que estamos sempre no controle, mas o que os estudos mostram é que fatores externos e internos influenciam de forma inconsciente nossa tomada de decisão. A procrastinação é resultado de uma desconexão entre nossas intenções e aquilo que efetivamente realizamos”, explica a neurocientista Thaís Gameiro.

Ela esclarece que, em geral, procrastinamos porque o cérebro tem dificuldade de avaliar as consequências a longo prazo e é mais sensível aos ganhos ou desfechos que ocorrem de forma imediata. “Quando precisamos enxergar benefícios que só ocorrem no futuro, ficamos vulneráveis a perder o foco do objetivo principal por conta de distrações que muitas vezes nos afastam da meta desejada.”

A falta de interesse, motivação ou perfeccionismo estão entre os gatilhos que mais afetam aqueles que têm o costume de deixar tudo para depois. Bom, quase tudo. “Geralmente a procrastinação tem a ver com aquelas tarefas mais negligenciadas, a ponto de prejudicar o seu futuro, de prejudicar a forma como você vê você mesma”, conta a psicóloga Denise Figueiredo. Adiar tarefas de maneira racional ou ainda abraçar os cinco minutinhos a mais de preguiça pós almoço é muito diferente da procrastinação.

“Se você olha suas atividades e percebe que precisa de três horas para terminá-las, mas só tem 30 minutos disponíveis e decide deixar para o dia seguinte, isso não é procrastinação é planejamento. Agora, se no dia programado para fazer a tarefa você começar a dar desculpas para não fazê-las, aí sim você começou a procrastinar”, informa Thaís. As “desculpas” até são verdadeiras, mas elas só aparecem depois que já decidimos não fazer a tarefa.

Segundo as especialistas, postergar atividades é um hábito, que pode ser treinado – e incentivado – por cada um. “É muito difícil sair dessa zona de conforto”, diz a psicóloga. De maneira generalizada, aqui encaixam-se dois perfis: os relaxados e os ansiosos. Os primeiros seguem o modelo por não saberem fazer as tarefas de outra forma, enquanto o segundo se pressiona a ponto de não conseguir fazê-las até o último minuto. “A procrastinação em si não tem um julgamento moral. O quanto isso te impacta positiva ou negativamente é que vai ser um problema”, diz Thaís.

Essas tarefas podem ser tanto laborais e responsáveis quanto de lazer. Aquelas mensagens no WhatsApp que deixamos para responder depois? Pois é. Segundo a psicóloga, a cobrança precisa acontecer para ser parada. “Tudo o que fazemos pensando ‘amanhã eu começo’, passa uma imagem de que não estamos prontos, e isso vai gerando um lugar de não felicidade em relação a essa questão”, ensina.

Claro que esse lugar da não felicidade, somado ao isolamento social, só piora a situação. O próprio trabalho, realizado essencialmente no escritório antes da pandemia, hoje pode ser feito após o horário de serviço ou mesmo nos fins de semanas. “Não vou ter nada para fazer mesmo” é um pensamento que ignora imprevistos e favorece a insegurança e a ansiedade.

Aliás, ansiedade é quase sinônimo de quarentena. Cansamos nossa mente com o excesso de informações e horas na frente das telas, mas não o nosso corpo. E o cérebro lê essas pistas de cansaço. Quantas vezes, nos últimos meses, não falamos a frase “quando a pandemia acabar….” postergando atividades e sonhos? Em momentos assim, o cansaço e a procrastinação andam juntos. A única coisa que se pode fazer é quebrar o padrão. 

Essa ansiedade afetou a estudante Mariana Prado, de 17 anos. Antes da pandemia, ela ficava das 6h às 21h fora de casa, entre estudos, deslocamentos e outras atividades. “No começo do ano, eu planejava entrar na faculdade no ano que vem, mas com a pandemia, não me sinto preparada – tanto com a questão de estudo quanto psicologicamente”, diz. “Me acostumei a ter a produtividade baseada em estar fora de casa e trabalhar isso dentro de mim é algo muito novo, com o que estou aprendendo ainda a lidar.”

Tempo. O trabalho afeta a relação do homem com o tempo, uma vez que ele é regulado pela produção e produtividade dentro de uma sociedade capitalista industrial. Mas, para pensar em tempo, é preciso entender que ele é uma criação humana de representação com horas, dias, meses. O tempo antigo, por exemplo, era ligado à ciclicidade de eventos e estações climáticas, diferentemente dos dias atuais. 

Uma pesquisa feita em abril pelo Banco Original e a empresa de consultoria 4CO apontou que 59% dos brasileiros que migraram para o home office durante a pandemia consideram que passaram a trabalhar mais horas diárias. Outros 57% avaliam a experiência como muito cansativa. O historiador e professor Gustavo Gaiofato explica que isso acontece pelo estranhamento gerado com o home office. “Não temos uma rotina delimitada, o que pode causar um volume de trabalho extra, afinal não sabemos muito bem a hora de parar”, diz.

Para entender melhor as emoções, percepções e comportamentos das pessoas em quarentena, o professor de psicologia Philip Gable, da Universidade de Delaware, nos Estados Unidos, desenvolveu um aplicativo, financiado pela National Science Foundation, para explorar o que vinha acontecendo com o relógio interno dos norte-americanos. “Nosso objetivo era acessar as emoções e motivações inconscientes dos participantes. Para isso, imagens apareciam na tela e elas deviam distanciar ou aproximar o telefone, a depender do sentimento causado por elas (aproximar se fosse feliz, afastar se fosse triste)”, detalha.

Em março, no primeiro mês de quarentena, foi possível perceber que, graças ao nervosismo e ao estresse generalizado, as pessoas tinham a percepção de que o tempo passava mais lentamente. Já em abril, as opiniões estavam divididas – 50% considerava que o tempo estava passando muito rápido. “Emoções têm um profundo impacto na maneira como sentimos o tempo. Quando você tem um objetivo, uma meta, os minutos podem passar rápido, diferentemente de quando você fica se questionando ‘qual o sentido de fazer isso?’”, exemplifica Gable. Ele conta que, segundo o estudo, o tempo passou a ser percebido cada vez mais rápido pelas pessoas a cada mês.

Se por um lado esses resultados mostram que estamos nos acostumando com a nova rotina, por outro, indica que o ser humano é imediatista. “A covid interrompeu muitas das coisas que nos davam prazer na vida. Então passamos a ver pessoas buscando outros modos de prazer: compras online, aumento do consumo de bebidas ou maior uso do celular”, explica Gable.

A luta entre ansiedade e produtividade, no entanto, já existia antes da pandemia – apenas se intensificou com ela. “A sociedade de consumo baseada na produção capitalista acaba criando a sensação de que temos de ser produtivos o tempo todo – justamente porque estamos regulados, temporalmente, nessa lógica. Trabalhar mais e mais porque o ócio é visto de maneira negativa”, pontua o historiador Gustavo.  Todo mundo procrastina em alguma coisa – lavar a louça, fazer um mestrado ou assistir à série do momento. Então convido você a analisar o que te impede de fazer suas atividades. Bom, talvez não hoje. Parece ser um trabalhão, então… amanhã?

  • Limite

Previna-se de possíveis distrações que possam surgir durante a realização de uma tarefa (como notificações de mensagens nas redes sociais) e, acima de tudo, respeite-se. Se o combinado com você mesmo é cumprir aquilo que você prometeu em uma hora, siga esse limite. 

  • Categorização

Saiba priorizar suas tarefas. O que precisa ser feito hoje? O que pode ser deixado para amanhã? “Não comece outra coisa enquanto não finalizar a primeira”, sugere a psicóloga Denise. Se possível, divida as atividades. Por exemplo: em vez de limpar toda a casa, você pode ir fazendo isso durante a semana e limpar um cômodo por dia. 

  • Divisão

Fazer uma redação de dez páginas é algo perfeito para ser procrastinado – afinal, parece cansativo e vai demandar muito tempo. Por isso, é interessante quebrar as tarefas em etapas. Selecione o tema em um dia, no outro faça possíveis entrevistas ou pesquisas, uma outra tarde invista somente na introdução… E assim por diante. Dessa maneira, é muito mais propenso que você finalize a tarefa – sem ser nos últimos minutos antes da entrega.

  • Pausas estratégicas

Cada um tem seus motivos para procrastinar. Descubra a causa e os gatilhos que fazem com que isso aconteça. Uma técnica conhecida que pode ajudar é a pomodoro. A ideia é você focar na atividade por 25 minutos e pausar por cinco. Após seguir o procedimento quatro vezes seguidas, o intervalo será maior, de 30 minutos. O importante é respeitar o tempo estabelecido – tanto para as atividades quanto para o descanso.

  • Tecnologia

Aplicativos como Be Focused (grátis, iOS) e Brain Focus (grátis, Android) têm como base a técnica pomodoro e colocam alarmes para ajudar o cumprimento das tarefas. Com o OffTime (grátis, iOS e Android), é possível estabelecer períodos sem mexer no celular. Caso não o cumpra, você é proibido de mexer no aplicativo por quatro horas. Já o Priority Matrix (grátis, iOS e Android) ajuda a organizar a lista de tarefas separando o que pode ser feito no momento do que pode ser adiado.

  • Ajuda externa

Nossos sentimentos podem ser afetados pelo ambiente em que estamos. De acordo com a arquiteta Vanessa Pasqual, cores como o laranja puxam para a criatividade; já o azul e verde-claro são ideais para ler documentos e se manter mais focado nas atividades. “As cores carregadas, como azul marinho ou o preto, além de diminuírem o ambiente, podem influenciar o foco e a imaginação. Por isso, tons escuros não são indicados para área de trabalho”, conta. Para uma ajudinha extra, chás de poejo (planta aromática) e cravo-da-índia auxiliam na concentração e no foco. 

  • Sem estresse

O descanso é mais do que necessário, mas atente-se se ele realmente acontece. Muitas vezes, pausamos para um café com o celular do lado e ao abrir as redes sociais: bum. Mais insegurança, comparação e sentimento de que todos estão sendo mais produtivos do que você. Na nossa sociedade, o ócio é visto como algo negativo, mas isso só gera mais ansiedade e estresse. Confie no seu processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.