Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Por favor, não urine no chão

Não sei se você reparou, mas agora, banheiro público vem com manual de instruções. Dentro de qualquer um há uma placa ensinando o usuário a se comportar no banheiro. "Por favor, não urine no chão", geralmente, é a primeira "dica". Eu, particularmente gosto muito do toque "por favor". Como se fazer xixi na privada fosse um favor que a pessoa que vai ao banheiro pudesse fazer pro restante da humanidade. Um sacrifício. Eu sei que é super difícil não urinar no chão, todos nós adoraríamos urinar no chão, eu mesmo se pudesse só urinaria no chão, mas dessa vez, "Por favor, não urine no chão".

Fábio Porchat,

12 de maio de 2013 | 02h09

Que tipo de informação é essa? Alguém chegou a ter essa dúvida: Onde será que eu vou, no vaso ou no chão? Quem achou que podia urinar no chão? E mais: alguém que estava prestes a urinar no chão, se sentiu impedido de urinar no chão por conta de uma placa que diz "não"? Se fosse assim, bancos nunca seriam assaltados. Era só colocar na porta giratória: "Por favor, não assalte esse banco". O que me assusta não é existir uma placa "jogue lixo no lixo", mas pensar que alguém achou melhor explicar esse detalhe porque as pessoas não estavam entendendo o funcionamento do dia a dia de um sanitário.

O próximo passo é o que? Um aviso de "inspire, expire"? Que pessoas somos nós que não sabemos que urinar no chão do banheiro está errado? Se você não sabia, passe a saber que não pode. Inclusive, se você é o cara que mija o banheiro masculino todo, parede, chão, pia, eu te peço: pare! Aliás, só pra você saber, muita coisa não se pode fazer no banheiro. O banheiro não é uma terra de ninguém. Você não pode matar ninguém no banheiro, por exemplo, não pode atear fogo no banheiro, não pode sublocar o banheiro pra sem terras e você não pode urinar no chão do banheiro. Por favor! Será que precisa colocar tudo isso numa placa também?

De repente, por via das dúvidas, é melhor, em cada banheiro, afixar na parede uma cópia da Constituição Brasileira. Vai que, né? Quem são essas pessoas que não sabem fazer xixi? Devo colocar essa placa no banheiro da minha casa? Devemos diminuir a maioridade penal dos mijões? Eu não sei, estou confuso. No Brasil precisamos explicar as regras o tempo todo pras pessoas. No trânsito: não feche o cruzamento. No aeroporto: exploração sexual de menores é crime. No elevador: verifique se o mesmo encontra-se nesse andar. A gente não pensa mais? Somos guiados por placas?

E pra que servem essas placas de conduta que dizem aquilo que todos nós já sabemos? Me parece que a discussão sobre o aborto está anos luz da discussão sobre não urinar no chão. Será que são essas placas que nos dão o senso de certo e errado? Se não houver uma placa no metrô me dizendo pra ceder o lugar pra idosos e gestantes eu não vou me levantar mais? Entendi.

Agora, se não tem placa, não é comigo. O governo que passe a explicar melhor as coisas através de placas! É mais uma vez o brasileiro dizendo: não é comigo. Mas, no fundo, é assim mesmo. Precisamos que nos digam o que podemos e o que não podemos fazer. As leis são isso. Os Mandamentos. Todo mundo sabe que temos que respeitar o próximo. Mas vamos colocar isso no papel, só pra garantir.

Acho melhor começar a andar com uma placa pendurada no pescoço dizendo: por favor, não urine em mim!

Tudo o que sabemos sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.