Popular com toque sofisticado

Marvin Hamlisch criou melodias famosas para o cinema como The Way We Were

UBIRATAN BRASIL, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2012 | 03h11

A prateleira de troféus do compositor americano Marvin Hamlisch vivia abarrotada - afinal, além de três Oscars (melhor trilha sonora e melhor canção original pelo filme Nosso Amor de Ontem, de 1973, além da trilha de Golpe de Mestre, do ano seguinte), ele recebeu ainda quatro prêmios Grammy e quatro Emmy, três Globos de Ouro e ainda um prêmio Tony. Compositor refinado, Hamlisch criou melodias que se tornaram célebres tanto pela identificação auditiva como pela qualidade da partitura.

Hamlisch morreu na segunda-feira, aos 68 anos, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A informação foi transmitida por Jason Lee, porta-voz da família. Segundo o comunicado, Hamlisch sofreu um colapso após ficar levemente doente há alguns dias.

Compositor da trilha de mais de 40 filmes, ele era mais conhecido pela parceria de sucesso com Barbra Streisand, criando verdadeiros hits para ela como The Way We Were, ou ainda produzindo a trilha sonora do filme O Espelho Tem Duas Faces, estrelado pela cantora, em 1996. Hamlisch chegou a comandar a orquestra de 16 músicos que se apresentou na exclusivíssima (apenas 80 convidados) festa de casamento de Barbra com James Brolin, em 1998.

Mas o currículo do compositor não se resumia a eventos como esse, dignos de revistas de fofocas - Hamlisch chegou a receber um prêmio Pulitzer, depois de conceber as canções do musical A Chorus Line, sucesso da Broadway na década de 1970.

De fato, a versatilidade era uma de suas grandes marcas. E sem perder a substância. "A música faz a diferença", gostava de dizer. "Há um gosto natural pela música, que tem o potencial de unir as pessoas. A melodia musical é verdadeiramente o idioma universal."

A alquimia lhe rendeu tributos em vida. "Ele era um clássico", comentou ontem a cantora Aretha Franklin, que liderou a parada de sucesso com Break It to Me Gently, música criada por Hamlisch para a letra de Carole Bayer Sager.

Em sua autobiografia, ironicamente intitulada The Way I Was, Hamlisch admitiu que ele vivia com medo de não cumprir as expectativas de seu pai. "Quando tinha a sua idade, Gershwin já tinha morrido", teria lhe dito. "E tinha escrito um concerto. Onde está o seu concerto, Marvin?"

Na adolescência, Hamlisch cansou-se dos recitais de piano para abraçar a composição, especialmente a de musicais, que lhe provocava um fascínio especial. Seu primeiro trabalho importante no teatro foi como pianista de ensaio para a produção da Broadway de Funny Girl, com Barbra Streisand em 1964. Graduou-se para outros shows como Fade Out-Fade In, Golden Rainbow e Henry, Henry Sweet, além de outros trabalhos, como arranjos de dança e vocal.

Hamlisch também teve um lugar na cultura popular. Conhecido por seu visual nerd, reforçado por óculos grossos, foi ironizado pela comediante Gilda Radner, no famoso programa de humor Saturday Night Live.

Ele trabalhava em um novo musical, Gotta Dance, além de criar a partitura para um novo filme sobre Liberace, Por Trás do Candelabro. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.