Ponte entre Brasil e Galícia por timbres inusitados

Ponte entre Brasil e Galícia por timbres inusitados

Carlos Núñez, alborada do Brasil Sony Music Preço: R$ 34,90

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2010 | 00h00

BOM

Em expedição musical ao Brasil, o galego Carlos Núñez decidiu mapear o País com sua gaita de fole, mesclando músicas celtas e brasileiras. A ponte de livre trânsito entre os dois lados do Atlântico evidencia, por mais incrível que possa parecer, semelhanças estreitas entre as duas culturas musicais. Para clarear a miscigenação, Núñez contou com o apoio de gente daqui como Wilson das Neves, em arranjo tradicional para Alvorada de Cartola, Fernanda Takai, em Alborada de Rosalía, Adriana Calcanhotto e André Mehmari, em Gaita. Além deles, o disco também tem Carlinhos Brown, com voz e percussão, em Padaria Elétrica da Barra, Dominguinhos, em Xotes Universitários, Assum Preto e Asa Branca, as duas últimas com o violão 7 cordas de Yamandú Costa, e Lenine, cantando a ciranda Nau Bretoa, grande destaque do álbum, com peso percussivo que dá o clima de uma embarcação trazendo escravos ao Brasil. A primeira audição causa estranhamento pelo som estridente e irritante da gaita de fole. Carlos Núñez soa melhor com a flauta de pico alto e baixo, em composições manjadas como Vou Vivendo (Pixinguinha e Benedito Lacerda) e Feira de Mangaio (Sivuca). /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.