Polêmico retrato da escritora Jane Austen vai a leilão

Um retrato controverso de uma menina que muitos acreditam ser a única pintura conhecida da escritora inglesa Jane Austen vai a leilão nesta quinta-feira, 19, em Nova York, e a expectativa é que seja arrematado por até 800 mil dólares.Henry Rice, parente distante da autora de clássicos como Orgulho e Preconceito e Razão e Sensibilidade, reconheceu que a venda de uma tela que há muito tempo divide as opiniões de especialistas não deixará de ter seus detratores.Em 1948, um especialista importante em Jane Austen negou a autenticidade do quadro, dizendo que o estilo de roupa usado pela menina do retrato não corresponde ao que era usado na época de Austen.Rice e sua família nunca duvidaram de que a menina de vestido branco longo, carregando uma sombrinha, fosse sua antepassada. Acredita-se que a tela data de 1788 ou 1789, quando Jane Austen teria 14 anos.Rice submeteu a tela ao exame de vários acadêmicos, incluindo a professora Claudia Johnson, da Universidade Princeton (EUA), especialista em Jane Austen, e eles confirmaram a atribuição original e o tema da tela."O quadro tinha mais ou menos caído num abismo", disse Rice à Reuters em entrevista no mês passado. "Então decidi aceitar o desafio e descobri que muitos dos argumentos contra a idéia de a tela ser o retrato de Jane Austen eram extremamente fracos.""Concretamente, estavam nos chamando de mentirosos. Então iniciamos uma cruzada.""Tivemos sorte em função das pessoas que conhecemos, várias delas americanas, e a coisa foi ganhando força, mas houve resistência acirrada e provavelmente ainda haverá."Rice ofereceu a tela várias vezes à National Portrait Gallery (galeria nacional de retratos), em Londres, mas a galeria a recusou em função das dúvidas quanto à autenticidade de seu tema."Por isso resolvemos levar a tela aos EUA, onde ela tem mais amigos", disse Rice.Os leiloeiros da casa Christie´s disseram que têm suficiente certeza quanto às pesquisas recentes para seguir adiante com o leilão do quadro, obra do pintor da sociedade inglesa Ozias Humphry.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.