Polêmica lei restringe mangá com cenas sexuais 'extremas' em Tóquio

A Assembleia Metropolitana de Tóquio aprovou nesta quarta-feira uma lei que proibirá, a partir de julho de 2011, a venda na cidade de mangás com cenas sexuais "extremas" aos menores de 18 anos, causando polêmica sobre liberdade de expressão.

EFE

15 de dezembro de 2010 | 14h46

A norma determina à indústria do mangá (histórias em quadrinhos japonesas) que previna que os menores de idade adquiram ou tenham acesso a material explícito incesto, estupro e outros crimes sexuais.

A partir de 1º de julho do próximo ano, as editoras deverão proibir a venda aos menores das histórias em quadrinhos que forem qualificadas pelo Governo metropolitano de "livros doentios" por seu conteúdo sexual, informou a agência local Kyodo.

A medida suscitou forte polêmica na indústria da história em quadrinhos, para quem a medida significa censura à liberdade de expressão e à criatividade dos desenhistas.

Tudo o que sabemos sobre:
mangáliterarutaquadrinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.