Poeta Manoel de Barros inspira peça

Aprovado pelo próprio poeta, que oassistiu em sua cidade, Campo Grande, o espetáculo Chão deBarros, de Frederico Foroni, narra a vida e a obra de Manoelde Barros. Depois de estrear na USP, em 2001, ser apresentado emCampo Grande, Mato Grosso do Sul, onde Barros mora, e ganharprêmios em festivais do interior do Estado de São Paulo, a peçaestá em cartaz no Centro Cultural São Paulo.Amanhã, um atrativo a mais para quem assistir à montagem, além da oportunidade de conhecer a trajetória e a obra de um dos poetas mais importantes do Brasil: os ingressos custam R$ 1,00."Interessei-me por sua obra completa quando li Livrosobre Nada (prêmio Nestlé de Literatura/97)", diz o jovemdiretor Frederico Foroni, formado pela Escola de Comunicações eArtes (ECA) da USP, em 2001. "Então li os 16 livros que compõemsua obra e ia ficando cada vez mais impressionado com sua imensacapacidade de frasista, de trazer tantas idéias em apenas umverso. Penso que só havia deparado com tamanha riqueza antes, naobra de Guimarães Rosa."A montagem também utiliza poemas de dois livros nãoreeditados, por veto do próprio poeta: Face Imóvel (1942) ePoesias (1956), seu segundo e terceiro livros editados,respectivamente. Barros considerou-os, mais tarde, imaturos.O projeto de pesquisa, desenvolvimento de umadramaturgia para espetáculo e de montagem foi patrocinado combolsa da Fapesp, entre os anos de 2000 e 2001. Foroni foi trêsvezes a Campo Grande encontrar-se com Manoel de Barros. "Noprimeiro, em janeiro de 2001, passamos horas conversando ebebendo cerveja. Ele me perguntou: você não vai gravar nemfilmar? Então podemos falar à vontade. Depois, quando assistiuao espetáculo, no final de 2002, em Campo Grande, disse terficado satisfeitíssimo, porque a montagem agarrava o poeta pelalinguagem e pelas palavras dele e não pelas paisagens."Apogeu - "Quando o rio está começando um peixe, ele mecoisa, ele me rã, ele me árvore." Esse é um dos versos queecoam em Chão de Barros, todo tecido em tom intimista."Propus aos atores: falem a poesia de Manoel de Barros como seestivessem falando de suas próprias vidas", assinala o diretor.Manoel Wenceslau Leite de Barros nasceu em Cuiabá, em 19 dedezembro de 1916. Com 1 ano de idade, seu pai se instalou emfazenda no Pantanal. Barros formou-se em Direito no Rio,casou-se com Stella, mas nunca abandonou o Pantanal. Barros é opoeta do "apogeu do chão e do pequeno."Chão de Barros une às poesias e às narrativas que obiografam numa cenografia limpa, uma luz impressionistafortemente metafórica e a belíssima trilha sonora de Thiago Curye Marcus Siqueira, apoiada em composições próprias e em peças deBrahms, Bach, Beethoven e Chopin.Prêmios - No elenco estão Roberto Leite, Marcio Araújo eSuzi Pereira, entre outros. No ano passado, a peça ganhou osprêmios de melhor trilha sonora, cenografia e luz no Festival deTeatro de Americana, além de indicações para melhor espetáculo edireção. Também ganhou o prêmio de melhor iluminação no Festivalde Teatro de Pindamonhangaba.Chão de Barros - Vida e Obra do Poeta Manoelde Barros. Criação Grupo Chão. Dramaturgia e direção FredericoForoni. Duração: 65 minutos. De terça a quinta, às 21 horas. R$12,00. Hoje, R$ 1,00. Centro Cultural São Paulo - Sala PauloEmílio Salles Gomes. Rua Vergueiro, 1.000, em São Paulo tel.(11) 3277-3611. Até 13/2.

Agencia Estado,

20 de janeiro de 2003 | 16h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.