Poesia de Drummond inspira coreografia

O 1.º Ato comemora seus 20 anos coma estréia da coreografia Sem Lugar, assinada por TucaPinheiro, e com uma exposição de objetos cênicos, fotos efigurinos que marcaram a trajetória do grupo. A peça foiinspirada em poemas de outro mineiro, Carlos Drummond deAndrade.Sem Lugar nasceu a convite do neto do poeta, PedroDrummond, após ter assistido ao espetáculo Beijo... nosOlhos... na Alma... na Carne, no Rio, em 1999. "O convite foia deixa para criarmos a coreografia, já tínhamos a intenção demontar um trabalho que dialogasse com a poesia", diz Pinheiro.A coreografia começou a ser elaborada em outubro de 2000. "Nãocontei aos bailarinos qual era o tema, não queriainfluenciá-los. Depois de um tempo revelei que o assunto era apoesia de Drummond, eles estudaram, mas pedi para que não seemoldurassem, que tirassem conclusões próprias sobre a obra dopoeta."Pinheiro trouxe ao palco o universo de Drummond, nãoqueria apenas transformar poemas em dança. O coreógrafo contoucom uma característica da companhia: dar espaço aos intérpretesna criação. A partir de questões e estímulos, os bailarinosfazem emergir experiências para a elaboração do trabalho emconjunto. "Essa é uma peça autoral, trabalho com pessoas, cadaum responde ao estímulo à sua maneira, a coreografia tem umpouco da visão de cada intérprete sobre o poeta."Para não perder o rumo, três elementos da poesia deDrummond foram eleitos para orientar a movimentação. De acordocom Pinheiro, quando o poeta diz que é um anjo torto, um gauche,demonstra que não se encaixa em padrões, daí a idéia do títuloSem Lugar. O verso "havia uma pedra no meio do caminho"inspirou levou a reflexões e questionamentos e, por fim, asmemórias de infância em contraposição à maturidade. "Esse é umespetáculo que mexe com as sensações, com forte apelo sensorial,mais especificamente visual e auditivo.""Sem Lugar pode ser considerada a síntese destes 20anos de experiência", diz a diretora Suely Machado. Para ela, acoreografia reforça o método de criação feito e aprimorado pelocentro de dança e ainda mostra o talento de Tuca Pinheiro,bailarino da companhia, que começou a coreografar para o grupo."Apostamos no potencial dos bailarinos, dos jovens coreógrafos,abrimos para novas idéias; gosto da diversidade de estilos."A coreografia contou com o apoio de uma bailarina deItabira, terra natal de Drummond, que auxiliou na pesquisabiográfica. "Não tivemos a pretensão de retratar a vida dopoeta, a poesia foi inspiração para cada bailarino criar os seusgestos e trazer à tona elementos de infância, o que dá umcaráter muito pessoal a Sem Lugar."O centro mineiro 1.º Ato nasceu em 1982 com a finalidadede ir além da técnica, incentivar a potencialidade de cadaintérprete - os bailarinos são co-autores dos trabalhos. "Ascrianças entram no grupo aos quatro ou cinco anos, tomam aulasde consciência corporal ou improvisação de forma lúdica esomente aos sete ou oito anos decidem se seguirão para oclássico ou moderno. A técnica se desenvolve ao lado dodesenvolvimento pessoal."As comemorações do aniversário do grupo já começaram eum dos projetos que marcaram as festas é o 20 Anos em 20 Praças.Duas vezes por mês, a companhia escolhe uma praça da periferiade Belo Horizonte para apresentar peças do repertório paraaqueles que não têm acesso aos teatros. A coreografia devecircular pelo País e sua chegada a São Paulo está prevista paraoutubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.