Poemas

"Prezado M:

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2013 | 02h16

Recebi o e-mail com seu mais novo poema e entendo seu entusiasmo. Realmente, é um raro exemplo de exteriorização poética da angústia moderna, a começar pela reiteração inicial:

'Eu mato, eu mato...'.

A brutal assertiva evoca à perfeição a têmpera destes dias, o nosso 'zeitgeist'. Perderam-se as ilusões com a justiça, com as esperanças de regeneração e com todas as instâncias jurídicas. Vivemos num deserto de valores morais. O poeta não diz 'eu reprimendo', 'eu castigo', 'eu mando prender', 'eu condeno'. Diz e repete 'eu mato'. Que retribuição se pode esperar onde a justiça não faz justiça e a cadeia não segura o ladrão? O poeta ameaça fazer sua própria justiça porque não existe outra. Revertemos ao animal primevo com as presas à mostra, num ricto de vingança selvagem. Uma hiena ganindo entre as ruínas de uma civilização falida.

Segue o poema:

'... quem roubou minha cueca...'.

Há aqui algo que evoca Eliot, com seu constante recurso ao aparentemente banal - no caso, a cueca - em contraponto a alusões clássicas e míticas, e que acabou sendo um viés da poesia moderna (Auden, Drummond). Não seria, talvez, demais ler a cueca como metáfora. A cueca representa o que temos de mais íntimo, recôndito, profundo. O que temos de mais nosso. O que o 'zeitgeist' nos roubou. Ou seja: a nossa alma. Onde está 'cueca' leia-se 'alma'. Sem a cueca ficamos nus. Sem a alma também estamos reduzidos a apenas nosso corpo.

Mas quem roubou a nossa cueca/alma? Quem trouxe nosso corpo desprotegido para este deserto?

Quem merece a raiva do poeta?

Que a raiva é merecida fica evidente na última linha do verso:

'... pra fazer pano de prato!'.

A suprema degradação. Nossa alma secando pratos. O fim de uma geração que conseguiu chegar à Lua mas se perdeu no caminho da privada. Quem é o culpado? Também queremos ganir de indignação como o poeta mas não sabemos em que direção. Para o alto? Para o lado? Para que lado? Quem, afinal, roubou nossa cueca pra fazer pano de prato?

Mas, enfim, poesia é isso mesmo, não é não? Perguntas sem respostas. Se houvesse resposta não seria poesia. Só me resta invejar o seu poder de síntese e a síntese do seu poder, que reduz toda a condição humana a um verso singelo, e o Universo a um gemido terminal. Parabéns!

E um grande abraço do L."

0 0 0

"Prezado L:

Gostei muito do que você escreveu sobre o verso que mandei, mas preciso fazer uma confissão: mandei o verso errado. Queria que você comentasse o poema caudal em 170 estrofes que me custou quase um ano de trabalho mas me atrapalhei (sou um pré-eletrônico, você sabe) e acabei mandando a letra de uma antiga marchinha de carnaval que, sei lá por que, meu neto de 12 anos armazenou no meu laptop. Mas obrigado assim mesmo. Grande abraço, M."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.