"Playboy" americana escala 12 beldades brasileiras

Procura-se mulher brasileira com corpo escultural, que tenha um rosto típico dos trópicos, seja fotogênica e queira posar nua. Única exigência: ter seios fartos, capazes de rechear sutiãs de, no mínimo, tamanho 44. O anúncio acima não foi publicado em nenhum veículo de comunicação do País. Mas os requisitos fizeram parte de um teste de seleção da revista americana Playboy, que pretende lançar, até o final do ano, uma edição especial com 12 beldades nacionais, batizada, não por acaso, de "Girls of Brazil".Os Estados Unidos, país que exportou a "moda" do silicone para o Brasil e atual campeão mundial em número de cirurgias plásticas, não quis nem saber desse artifício na hora de buscar garotas para ilustrar as páginas de sua principal revista masculina. As condições impostas pelos produtores americanos eram bastante claras: em nenhuma hipótese as moças poderiam ter seios pequenos. E, preferencialmente, deveriam exibir seios naturalmente "turbinados". "Se nas fotos desse para perceber que a mulher tinha colocado silicone, ela seria desclassificada", confessa um dos responsáveis pelo casting das garotas.A missão de encontrar as 12 brasileiras mais "americanas" coube a olheiros daqui mesmo, que se espalharam por São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis e São José do Rio Preto em busca das beldades. A modelo Dany Bananinha, que se lançou na carreira como animadora do programa global Caldeirão do Huck e foi capa da Playboy brasileira em 2000, é uma das que se inscreveram para a seleção. "Sou forte candidata, mas não quis que ninguém me indicasse. Fiz o teste como uma pessoa qualquer", conta ela, que exibe com orgulho seus atributos vitaminados com silicone. "Ainda não recebi nenhuma resposta da revista, mas só vou participar se eles pagarem o cachê que minha empresária pediu", diz - sem mencionar as cifras, claro.Os leitores que esperam encontrar na edição dos Estados Unidos alguma das 12 mulheres que foram campeãs de venda na história da Playboy brasileira podem, desde já, perder as esperanças. As assessoras de Suzana Alves, que ocupa o segundo e o sétimo lugares, Marisa Orth, que está em sexto, e Vera Fischer, dona da 11ª posição, já disseram que suas clientes não receberam nenhum convite - e nem participaram da seleção. Os testes das candidatas a ilustrar a "Girls of Brazil" já estão sendo analisados pelos editores americanos. Os ensaios serão feitos em outubro, em Paraty.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.