Marco Ugarte/AP
Marco Ugarte/AP

Plácido Domingo volta ao trabalho depois de cirurgia

Recuperado, tenor apresenta 'Simon Boccanegra', de Verdi, nesta sexta no teatro La Scala, em Milão

EFE

16 de abril de 2010 | 10h32

O tenor espanhol Plácido Domingo volta aos palcos pela primeira vez nesta sexta, 16, desde que passou por uma cirurgia de câncer de cólon a que foi submetido há pouco tempo. Para ele, é um regresso duplamente feliz já que cantará uma música de Giuseppe Verdi no teatro La Scala, em Milão, local escolhido - pelo próprio artista - para o retorno depois de seis semanas de repouso por ordens médicas.

 

A cidade italiana já está preparada para se tornar o centro das atenções da ópera internacional nesta sexta a partir das 20h (hora local), momento em que o telão do teatro La Scala apresentará Plácido Domingos protagonizando a conhecida peça "Simon Boccanegra", de Giuseppe Verdi .

 

Num recente encontro com jornalistas, o tenor disse que se sente afortunado por ter conseguido se recuperar da doença. Ele também confessou que, desde que tivera de interromper uma apresentação em Tóquio por dores abdominais, em fevereiro, sentiu muito medo. "Verdi em La Scala duplica a alegria de voltar ao palco", disse o artista, que está com 69 anos. Sua última aparição no teatro milanês foi em 9 de dezembro do ano passado, quando foi realizado um concerto em homenagem aos seus 40 anos de apresentações no local.

 

Estão previstas oito apresentações de "Simon Boccanegra", por Plácido Domingo, no La Scala, dirigidas pelo argentino-israelita Daniel Barenboim. Os ingressos para a primeira delas, cerca de mil, já estão esgotados. 

 

A peça de Verdi, ambientada na Gênova de meados do século 14, estreou no teatro La Fenice, em Veneza, no ano de 1857, e foi representada pela primeira vez no La Scala em 1859.

 

Milão também foi a cidade eleita por Domingo para acolher a versão 2010 de seu concurso "Operalia", que busca novos talentos no universo da ópera. Nesse mesmo local, o tenor pretende mostrar sua recuperação absoluta do câncer e voltar a receber o carinho do público que, em dezembro passado, lhe dedicou uma ovação de 20 minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.