Ivan Dias/AE
Ivan Dias/AE

Pior cinema de São Paulo

No Itaim Paulista, pipoca é fria, poltronas estão rasgadas e cabines dos banheiros não têm portas

Marina Bonini, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2012 | 03h00

Pior cinema

Itaim Paulista: 15,58 pontos

Pela terceira vez consecutiva, o Itaim Paulista leva o prêmio ‘Framboesa de Ouro’ de pior cinema de São Paulo. A falta de manutenção e de limpeza são os principais problemas

Corredor com papéis e restos de comida pelo chão. Filas com poltronas rasgadas e manchadas. Pelo caminho, pedaços de carpete estão soltos e um cheiro forte de mofo se espalha pela sala quente. Na última fileira, uma poltrona serve de depósito para os restos de outro assento. Este até poderia ser um cenário ideal para um filme de terror, mas faz parte da realidade dos frequentadores da sala 1 do Itaim Paulista, que foi eleito pela terceira vez consecutiva o pior cinema de São Paulo.

Inaugurado em 2004, ele fazia parte do Shopping Itaim Paulista, que fechou e foi comprado pela rede de supermercados Sonda, que manteve o cinema, mas não os cuidados. A sensação de abandono se faz presente nas instalações do cinema, que estava quase vazio no dia da visita do Divirta-se. As duas funcionárias vistas no local nem ao menos indicaram o caminho até a sala. Na bonbonnière, uma cliente aguardava atendimento, mas não havia ninguém ali. Ela teve de se dirigir ao caixa para pedir informações sobre o paradeiro da funcionária responsável pela área, que estava sentada no hall.

A pipoca, além de fria, tinha gosto forte de óleo velho. Para pagá-la, só era aceito dinheiro. O mesmo valia no único guichê da bilheteria. Outro problema foi encontrado no banheiro feminino, que não tinha portas nas suas cabines, sabonetes ou recipientes para eles.

Não fosse tamanho descuido, o cinema até poderia garantir uma melhor colocação no guia. A sala é em formato stadium, as poltronas tem assentos e braços almofadados e há banheiro exclusivo para cadeirantes.

Mais conteúdo sobre:
cinema Divirta-se

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.