Pinturas de Edvard Munch não tinham seguro

A polícia norueguesa disse hoje que está trabalhando em cima de várias pistas para encontrar as obras-primas de Edvard Munch (1863-1944), O Grito e Madona, que foram roubadas ontem por homens armados do Museu Munch de Oslo. Segundo a imprensa norueguesa, as pinturas, cada qual valendo dezenas de milhões de dólares, não estavam seguradas contra roubo. Para alguns especialistas O Grito pode valer ? 62 milhões. A imprensa norueguesa suspeita de que as obras tenham sido roubadas para um posterior pedido de resgate, ou porque algum colecionador desejasse tê-las em seu poder.O inspetor Ivar Stensrud, da polícia de Oslo, disse que todo o pessoal disponível está participando da busca. Stensrud disse que tem recebido numerosas pistas, fotografias e vídeos. A polícia encontrou o automóvel usado pelos ladrões na fuga, poucas horas depois do roubo.Para Charles Hill, ex-investigador da Scotland Yard, que ajudou a resolver o caso do roubo da outra versão de O Grito, em 1994, disse que era inverossímel que as pinturas tivessem sido roubadas para um colecionador ou para serem vendidas, pois são demasiado conhecidas.Existem quatro versões de O Grito. O quadro que representa a angústia moderna foi pintado em 1893, por um dos grandes nomes da arte expressionista, que tinha como temas preferenciais a doença, a morte, a angústia e o amor. Duas no Museu Munch, outra com um colecionador particular, e a quarta com a Galeria Nacional de Oslo. Esta última foi a versão roubada em fevereiro de 1994, e recuperada três meses depois, em um hotel em Asgardstrand, a cerca de 65 quilômetros de Oslo. Três noruegueses foram presos na ocasião. Investigadores disseram que os ladrões tentaram obter do governo um resgate de um milhão de dólares, que nunca foi pago.Madona é um quadro a óleo de 90,5 centímetros por 70,5 centímetros que Munch pintou durante os anos 1893-1894. Mostra uma madona erótica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.