Pintura da coleção de Elizabeth II é original de Caravaggio

Um quadro pertencente à rainha Elizabeth II da Inglaterra, até agora considerado uma cópia de Caravaggio, foi atribuído ao próprio mestre, após um minucioso trabalho de Restauração. A pintura, de título Vocazione dei Santi Pietro e Andrea, está na coleção real há quase quatro séculos e a maioria dos especialistas a considerava uma cópia de um trabalho perdido de Michelangelo Merisi, mais conhecido como Caravaggio, pelo lugar onde nasceu (1571-1610). Uma das cinqüenta telas do artista No entanto, ao limpar a pintura, guardada em um depósito do palácio de Hampton Court, próximo a Londres, foram descobertos alguns detalhes que levaram a atribuí-la à mão do iniciador do tenebrismo na Itália, de quem há apenas 50 telas conservadas. O responsável pela riquíssima coleção de arte da Rainha da Inglaterra, Desmond Shawe-Taylor, disse hoje que esta é uma grande notícia. O quadro, adquirido por Carlos I, será exibido no final do mês em Roma e depois fará parte da grande exposição dedicada à arte italiana que será realizada no ano que vem na chamada Galeria da Rainha do Palácio de Buckingham. A recente restauração do quadro revelou a presença de cores totalmente condizentes com a paleta de Caravaggio, impressão reforçada também pelo dramatismo da composição. O braço direito de São Pedro, que antes da restauração parecia plano, agora dá a impressão de sair do quadro, o que constitui um efeito típico de Michelangelo Merisi. Obra traz momento do evengelho de São Marcos A obra representa um momento descrito no evangelho de São Marcos em que um jovem Jesus se dirige a seus discípulos Pedro e André para lhes pedir que se transformem em "pescadores de homens". Segundo fontes da Coleção Real, o quadro foi adquirido pelo rei Carlos I, posteriormente vendido e comprado de novo por Carlos II. Apesar de que hoje poderia valer mais de 80 milhões de euros, a rainha não poderia colocá-lo no mercado, já que pertence à nação. Caravaggio, um dos gênios da arte européia, teve que fugir de Roma após matar um inimigo em uma briga e, afligido por malária, apareceu morto em uma praia.

Agencia Estado,

10 Novembro 2006 | 15h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.