Pinacoteca de SP tem agenda cheia

Além da retrospectiva de ArthurLuiz Piza, o público tem outros quatro bons motivos para ir àPinacoteca do Estado, em São Paulo, nas próximas semanas. Logona entrada do museu está em exposição o impressionante muroótico criado por Pazé para a 3.ª edição da Bienal do Mercosul, eque até o momento só havia sido visto em Porto Alegre.Intitulada Cinzas, essa obra só aos poucos revela toda a suagrandeza, exigindo que o espectador circule em torno dela,aprecie a paisagem tridimensional criada por Pazé por meio dasobreposição de milhares de canudinhos - de distintos tons decinza -, que formam um muro denso e etéreo, que pode seratravessado pela luz e pelo nosso olhar.Outro ponto alto da temporada é a instalação preparadapelo artista japonês Nobuo Mitsunashi para ocupar o octógono domuseu. Também tomando como ponto de partida a idéia de repetiçãode um mesmo elemento compositivo de maneira livre e rítmica -matrizes também do trabalho de Piza e Pazé -, o conjunto defiguras, sóis e bacias em cerâmica de alta temperatura e fibrade vidro se dispõe a dialogar com o espectador. Estabelecendo umjogo contínuo entre o todo e as partes (pequenas estruturas naforma de espinhos que recobrem todos os elementos da obra, quefuncionam como uma espécie de DNA de base desses seus primeirostrabalhos figurativos), o trabalho envolve o público numaintensa carga dramática, cênica e um tanto quanto mística.Mitsunashi, que já tem três das dez pirâmides que apresentou na21.ª Bienal de São Paulo em exibição permanente no jardim daPinacoteca, também exibe a partir do dia 3 uma série de obrasrecentes na Galeria Deco.Na contramão dessa construção relativamente sóbria dosartistas citados estão as pinturas coloridas e vibrantes deAntônio Carelli. Para essa mostra foram selecionadas 27 pinturaspelo artista nascido em 1926. Estão representadas na mostra asobras da série Mata Atlântica, releituras de mestres comoFrancis Bacon e Ticiano, além de mosaicos e murais sobrecerâmica.Por último, também está sendo inaugurada no museu daAvenida Tiradentes a exposição Claustro, de Vera Martins,que reúne uma série de trabalhos que remetem a questões afetivas, relacionadas ao universo feminino, à morte e ao nascimento, masa partir de uma construção plástica extremamente delicada esobretudo enxuta.Saindo para o Parque da Luz, mais precisamente para oquiosque que costumava ser chamado de ponto chique, ainda hápara ser visto o curioso registro feito por Bill, motorista doGrupo Estado que, ao acompanhar os repórteres em pautaspoliciais, plantões diante da casa de políticos ou concorridasentrevistas com os astros do momento - de jogadores de futebolao governador Geraldo Alkmin -, decidiu desenvolver ele próprio seu trabalho e registrou não o que se passava diante das câmeras, mas essa parafernália e confusão que normalmente passadespercebida do grande público.Confirmando ainda mais sua diversidade, a Pinacotecaconvida ainda, neste sábado de múltiplos vernissages, para olançamento do livro O Visconde de Guaratinguetá - UmFazendeiro de Café no Vale do Paraíba, uma nova edição da obrade Carlos Eugênio Marcondes de Moura.Antônio Carelli, Vera Martins, Nobuo Mitsunashi ePazé. De terça a domingo, das 10 às 18 horas. Pinacoteca doEstado. Praça da Luz, n.º 2, tel. 229-9844. Até 29/9. Aberturasábado, às 11 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.