Piiii

Piii. Apitou. Ele teve que voltar para passar de novo pelo detector de metal. Já tinha posto na bandejinha relógio, caneta, tudo que pudesse conter metal ou fazer disparar o piii. Voltou e passou de novo.

Luís Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2011 | 00h00

Fez piiii..

- Tire o casaco - sugeriu o funcionário.

Ele tirou o casaco e botou numa bandeja maior. Passou outra vez pelo portal.

Piiii.

- Já sei - disse ele. - Deve ser isto aqui.

Mostrou uma caixinha de remédio que levava num bolso da calça. Não era de metal, era de plástico, mas talvez a máquina suspeitasse que o plástico fosse disfarce. Essas máquinas de aeroporto ficam cada vez mais sofisticadas. E desconfiadas.

- Coração - disse ele, colocando a caixinha em outra bandejinha.

- Como? - disse o funcionário.

- Remédios para o coração. Pressão alta, essas coisas.

- Passe outra vez, cavalheiro - disse o funcionário, sem nenhum interesse no seu coração.

Ele passou outra vez pelo detector, sem a caixinha no bolso.

Piii.

- Não é possível. Será que a máquina não está com defeito?

O funcionário ignorou a hipótese impensável. Perguntou:

- O senhor tem alguma prótese?

Ele hesitou. Tinha alguma prótese? Não. Claro que não. Sugeriu:

- Não pode ser obturação num dente? Tenho várias.

O funcionário desprezou esta hipótese também. Disse:

- O cinto.

- O quê?

- O cinto. Pode ser a fivela do cinto. E os sapatos.

- Os sapatos também?!

- Por favor.

O cinto e os sapatos ocuparam outra bandeja. Ele passou pelo portal, segurando as calças.

Piii.

Ele perdeu a paciência.

- Não. Eu acho que é pessoal. Agora Já é implicância.

O funcionário pediu para ele ficar de lado. Outro funcionário, aparentemente mais graduado, viria revistá-lo. Ele protestou:

- Vou perder meu avião.

O protesto também foi ignorado. Veio outro funcionário e pediu para ele estender os braços para ser revistado.

- Se eu estender os dois braços ao mesmo tempo minhas calças caem. Posso estender um de cada vez?

O segundo funcionário estudou a proposta. Não era o procedimento certo. O certo era o revistado estender os dois braços ao mesmo tempo. Ele insistiu:

- Minhas calças vão cair. Eu emagreci muito nos últimos tempos. Ordens do cardiologista.

- Estenda os braços por favor, cavalheiro.

- Primeiro um depois o outro?

- Os dois ao mesmo tempo.

- Minhas calças vão cair. Você será responsável pelo vexame. Vai ser um escândalo público. Está entendendo? Eu só de cuecas, aqui, no meio da... do... Vocês querem me expor ao ridículo!. Eu vou processar!

Nisso a máquina começou a apitar:

Piii! Piii! Piii!

E o homem:

- E cale a boca você também!-

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.