Pianista americano reescreve composição de Mozart

Timo Andres, de 28 anos, lança em disco proposta de versão modernizada do 'Concerto da Coroação'

JOÃO MARCOS COELHO , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2013 | 02h23

Sempre que um jovem músico chega à cena, procura um diferencial, algo que o destaque no oceano anônimo da web e das mídias mundiais. O truque está no DNA da vida musical norte-americana. Timo Andres, de 28 anos, é pianista e compositor. Estudou em Yale e começa a aparecer como uma voz interessante na cena musical de seu país, graças a uma ousadia inimaginável. Ele "recompôs" o célebre Concerto da Coroação de Mozart e o colocou ao lado de um concerto para piano que escreveu ainda estudante e de um tributo a Brian Eno.

É óbvio que as atenções concentram-se na recomposição do concerto de Mozart. Em 2012, Andrew Cyr, regente e diretor artístico do Metropolis Ensemble, com sede no bairro nova-iorquino do Brooklyn, perguntou a Timo se ele gostaria de 'completar' o concerto K. 537 de Mozart, para o qual o compositor não escreveu cadências e deixou indicações vagas e até vários espaços vazios na partitura da mão esquerda do piano solista. "Decidi reescrever totalmente a mão esquerda e também novas cadências. Não tive nenhuma pretensão escolástica ou editorial, agi como se estivesse num playground de virtuosidade e invenção."

Para curtir adequadamente a atrevida empreitada, é preciso deixar de lado a seriedade e encará-la como o que de fato é: recriação divertida, e provocativa, de uma obra-prima mozartiana. "Os ornamentos clássicos estão lá, mas a estrutura é modernizada. Apliquei isso ao concerto inteiro".

De fato, você sabe que Mozart está ali. Mas um Mozart estranhamente moderno, dissonante. Talvez tenha faltado mexer na parte da orquestra, que ele deixa intocada. E, nesse sentido, mais interessante é Rewriting Beethoven's Seventh Symphony, de Michael Gordon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.