Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Piadas

No Brasil, as piadas ficam cada vez mais sem graça, sem perspectiva de melhorarem

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 02h00

Teve um cômico americano que, quando via que seu número não estava agradando à plateia, declarava: “Pessoal, as piadas são estas. Vamos rir delas porque não há outras”. A frase “As piadas são estas” serve para toda forma de resignação às coisas como elas são e não como gostaríamos que fossem, e vale tanto para piadas ruins quanto para o nosso destino pessoal e a natureza do Universo. Vale especificamente para o Brasil, onde as piadas ficam cada vez mais sem graça, sem perspectiva de melhorarem. Ou você as aceita, que remédio, ou está condenado à seriedade eterna, pensando em emigrar. 

O Universo é o que é, não existe outro. Ou existem outros, paralelos, mas tão inexplicáveis quanto este. O Brasil é o que é, essa sequência de piadas tristes sem alternativas. Temos um histórico de piadas lamentáveis que se sucedem. Algumas chegaram a presidente da República. E as piadas pioram com o tempo: em algum período da nossa vida político-institucional, o país esteve tão perto de ser uma grotesca comédia pastelão como agora?

A lista dos possíveis candidatos à Presidência nas próximas eleições, com raras exceções, faz chorar. Bolsonaro entre os mais lembrados nas pesquisas de intenção de voto é humor negro, mais assustador do que engraçado. O prende/solta dos indiciados por corrupção e as punições seletivas, que atingem uns mesmo sem provas e poupam outros, desmoralizam a cruzada moralista. Um presidente delatado faz assédio explícito, inimaginável em qualquer país civilizado do mundo, sobre o tribunal federal que eventualmente o julgará, para barganhar sua absolvição. 

Enfim, as piadas são estas. Mas ninguém está rindo.

Encontro. Se acontecer o encontro Donald Trump e Kim Jong-un, pode-se prever que a conversa começará bem.

JONG-UN – Você pinta os cabelos?

TRUMP – Não. É loiro natural. Mas ninguém acredita. Como você mantém essas pontas de cabelo em pé? 

JONG-UN – Gel. Mas eu digo que é meu magnetismo interior. Até hoje, ninguém chegou perto para confirmar.

TRUMP – Eu também não deixo ninguém mexer nos meus cabelos

JONG-UN – Assim?

TRUMP – Epa! Você desmanchou meu penteado! Isso significa guerra!

JONG-UN – Mande os seus mísseis nucleares. Pode vir!

TRUMP – Mandarei, assim que eu chegar em casa.

JONG-UN – Rá! Os meus já estão sobre o Pacífico! 

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.