Philip Roth recebe o PEN/Faulkner pela terceira vez

O escritor americano Philip Roth ganhou no domingo mais um prêmio literário, o PEN/Faulkner, pelo livro Everyman, de 2006, sobre doença e moralidade. "É um volume magro", disse a jurada do PEN/Faulkner, Debra Magpie Earling. "O livro me assombra por sua simplicidade e seu olhar resoluto da vida. Roth nunca olha de longe, nunca banaliza, nunca diminui. Ele faz uma luta corpo a corpo com a mágoa, numa imensidade de perder-se", ainda nas palavras da jurada desta edição do prêmio.O novo livro de Philip Roth, até agora não traduzido para o português, é uma história que trata intimamente da perda, do arrependimento e estoicismo. O autor centra-se na história de um homem que se debate com seus problemas e com sua própria mortalidade. O personagem principal é um artista de sucesso de uma agência de Nova York, pai de dois filhos do primeiro casamento, que o desprezam, e de uma filha do segundo casamento, que o ama. Ao mesmo tempo, é um irmão amado e um ex-marido solitário de três ex-mulheres completamente diferentes. No fim, ele é um homem que se tornou aquilo que jamais quis ser. O romance, editado pela Houghton Mifflin, tem 182 páginas.Roth, que vai receber US$ 15 mil, é o primeiro escritor que venceu por três vezes o PEN/Faulkner, criado em 1980 - o americano ganhou em 1994, por Operation Shylock, e em 2001, por The Human Stain. Os outros finalistas desta edição do PEN/Faulkner foram Charles D´Ambrosio por The Dead Fish Museum; Deborah Eisenberg por Twilight of the Superheroes; Amy Hempel por The Collected Stories of Amy Hempel; e Edward P. Jones por All Aunt Hagar´s Children.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.