Petrobras investe R$ 7 milhões nas artes cênicas

A Petrobras anunciou esta semana as diretrizes de seu programa de patrocínio para artes cênicas, que receberá R$ 7 milhões em 2002. A grande mudança está na área de espetáculos, pois as verbas disponíveis passarão a privilegiar circuitos exibidores e não mais produções específicas.E a seleção será através de edital público a ser publicado dentro de dois meses. "É uma mudança de filosofia, pois os produtores culturais se organizarão e farão os espetáculos circularem pelo País", explica a crítica Helena Katz, consultora convidada do projeto, ao lado de Aimar Labaki.Em 2000, a Petrobras investiu R$ 52 milhões em patrocínio cultural, dentro das leis de mecenato (Rouanet e do Audiovisual). No início deste ano, a estatal decidiu mudar sua política para o setor e convidou Yacoff Sarkovas, da Articultura para reformular todo o setor.Resultados - Os primeiros resultados apareceram com o projeto Petrobras nas artes visuais, que destinou R$ 4 milhões a 13 projetos que se inscreveram em concorrência pública. Logo em seguida, foram distribuídos R$ 40 milhões entre dez filmes de curta-metragem. Nove deles foram escolhidos também em concorrência e o décimo foi um convite ao diretor Nelson Pereira dos Santos que está realizando um documentário sobre o compositor Zé Keti.Nas artes cênicas, a concorrência pública vai valer para a criação de circuitos de exibição, de preferência com parcerias. "Ou seja, instituições em empresas que façam os espetáculos circularem vão ter nossa preferência, especialmente se tiverem também patrocínio de empresas de transporte, hotelaria, etc.", ressalta Sarkovas. "Vamos dar importância também a projetos que privilegiem a formação e qualificação de platéias e a produtores que trabalhem com as comunidades."A empresa não vai interromper seu patrocínio a companhias que desenvolvem um trabalho autoral. Em 2002, os grupos Corpo, de balé, e Galpão, de teatro, ambos de Minas Gerais, vão receber R$ 4 milhões. Ao contrário dos circuitos de exibição, estes grupos serão escolhidos por um conselho da Petrobras e convidados sem concorrência pública.Memória - O registro e a memória das artes cênicas brasileiras são o terceiro item contemplado pelo projeto. Sarkovas citou como exemplo da ação pretendida pela empresa o registro em DVD do repertório do Grupo Oficina, de José Celso Martinez Correa, que vem sendo realizado com lançamento previsto para o próximo ano."Aí estão incluídas as mídias digitais, a publicação de livros e revistas, a realização de palestras, pesquisas, cursos e oficinas e a preservação de acervos, além da criação de novas formas de preservação e distribuição de conteúdos cênicos."Até agora, a música popular e erudita ficou fora dos projetos de patrocínio da Petrobras, mas elas terão também seus programas, a serem divulgados até o fim do ano. As quantias totais a serem investidas não foram definidas, pois dependem do lucro da empresa e do conseqüente imposto a pagar, mas os analistas de mercado acreditam que ficará no mesmo nível do ano passado, por causa da situação econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.