Peticov faz obra para estação de trem

Para marcar o novo espaço que estásendo construído na Estação Santo Amaro da Companhia Paulista deTrens Metropolitanos (CPTM) - previsto para ser inaugurada emsetembro e que funcionará como a linha 5 de Metrô - LigaçãoCapão Redondo-Largo Treze, o artista plástico Antônio Peticovcriou três painéis já presentes no local. As obras, ou melhor,as pinturas públicas, já estão totalmente finalizadas e poderãoser contempladas por qualquer transeunte que utilizar o metrô.Essa não é a primeira vez que o artista faz uma obra para umaestação já que o Metrô República comporta uma de suas criações,há 12 anos. "Quando me mostraram esse espaço, optei por fazer umapintura mural, em vez de uma montagem com peças construídas ecolocadas como, por exemplo, azulejos. Porque essa será umalinha muito popular e, por isso, queria fazer alguma coisa bemperto de uma pintura normal", explica o artista. Paradesenvolver os três painéis, Peticov resgatou e selecionouimagens de seu repertório antigo, diga-se onírico emulticolorido. As duas paredes laterais do saguão dedicado ao trabalhodo artista, que comportam as escadarias para se transitar pelasduas plataformas de embarque e desembarque da nova linha, trazemos painéis A Conexão e A Passagem. Dispostos um defrente para o outro como que refletidos, um painel representa odia e o outro, a noite. No rodapé de cada um dos painéis, a mesma paisagemitaliana bucólica pintada com tinta acrílica. "A paisagem não édo Brasil porque, para mim, poderia ser de qualquer lugar. Apaisagem é um bem comum, está sempre decifrando um aspectohumano." E em cada painel, Peticov cria um jogo entre noite edia: uma espécie de buraco com uma escada que leva para a noiteou para o dia. "São imagens que pintei há 30 anos e que seencaixam muito bem com o fato de as pessoas estarem indo e vindoda noite para o dia e do dia para a noite", analisa o artista.E sobre esses dois símbolos, o pintor diz que em toda a sua obrao dia significa o homem e a noite, o "plano divino, místico, oinconsciente. É uma idéia que sugere transcendência". Já o terceiro e maior painel, intitulado Mitocôndria é formado por uma paisagem litorânea canadense em seu rodapé e,no céu, bem no centro do painel, uma forma horizontal e emespiral com todas as cores do espectro. "Esta também é umaimagem antiga que aparece em minhas obras. E como a mitocôndriaé uma organela da célula que produz a energia, a idéia dessaobra vem desse próprio local. Aqui, não é só uma estação depassagem simplesmente, mas também uma ligação com o ambiente detrabalho." E a forma da mitocôndria revela, em seu interior,pedacinhos de noite rodeados pelas cores alternadas do espectromagnético, combinados em espiral. O lado exterior significa,segundo Peticov, a atividade criativa. "É a idéia de uma formaem movimento." Sobre fazer uma obra pública, Antônio Peticov diz que otrabalho do artista plástico é muito limitado. "Se o artistafor um pouco mais conhecido, quem sabe ele faça uma exposição ecem pessoas vão ver. E se ele for um pouco mais ainda conhecido,suas obras vão para um museu e alguns milhares as verão. Mashoje em dia, milhares não significa nada. A televisão atingemilhões de pessoas, discos e livros são vendidos aos milhões. Esempre tive a necessidade de ter mais retorno. Isto aqui é umapossibilidade, é a democratização do trabalho visual ."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.