Petição que pede à Casa Branca deportação de Bieber supera 100 mil assinaturas

O número já chegou a 118.000, desde que foi encaminhada em 23 de janeiro

Eric Kelsey, Reuters

29 Janeiro 2014 | 19h54

Uma petição para que o governo dos Estados Unidos deporte o cantor canadense Justin Bieber, após ter sido preso na semana passada sob a acusação de dirigir alcoolizado, superou nesta quarta-feira o marco das 100.000 assinaturas necessárias para que a Casa Branca dê uma resposta.

A petição coletou até agora 118.000 assinaturas desde que foi encaminhada por J.A, de Detroit para a página da Casa Branca na internet em 23 de janeiro, o mesmo dia em que Bieber foi pego participando de um racha com uma Lamborghini alugada em uma rua residencial de Miami Beach.

No entanto, é altamente improvável que Bieber, de 19 anos, seja deportado, já que a lei federal determina que um visto pode ser revogado ou negado em caso de condenação por um crime violento que resulte em pena de prisão de 1 ano ou mais.

Depois de detido, Bieber disse à polícia que tinha tomado medicamentos, fumado maconha e consumido bebida alcoólica. Se condenado, ele pode pegar até 6 meses de prisão, embora especialistas digam que provavelmente ele receberá uma sentença mais leve pelo seu primeiro delito.

Um porta-voz do cantor não quis comentar sobre a petição ou dizer qual tipo de visto Bieber possui para morar nos EUA. Ele provavelmente possui um O-1, visto reservado a artistas e pessoas do mundo do entretenimento.

O sistema de petições foi criado em 2011 e já forçou a Casa Branca a responder a temas estranhos, tais como o pedido de construção de uma Estrela da Morte, do filme Guerra nas Estrelas, como uma forma de criar empregos, e a deportação de uma personalidade da TV britânica, Piers Morgan, por causa de comentários que ele fez em favor do controle de armas, depois do tiroteio na cidade de Newtown, em 2012.

 

Mais conteúdo sobre:
GENTEBIEBERDEPORTACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.