Peter Greenaway tenta elucidar mistérios da vida de Rembrandt

O diretor britânico Peter Greenaway, emseu filme mais recente, tenta elucidar os elementosdesconhecidos que cercam Rembrandt e um de seus quadros maisfamosos, sugerindo que o fato de o artista ter acabado a vidana penúria pode ter sido fruto da ação de inimigos. "Nightwatching" é uma história sobre como foi encomendado oquadro de Rembrandt da Milícia dos Mosqueteiros de Amsterdã,conhecido como "Ronda Noturna", e explora os segredos que oartista pode ter revelado na obra-prima. A pintura vem deixando historiadores da arte perplexos háséculos, e Greenaway disse que sua teoria é tão válida quantoqualquer outra. "É claro que já foram propostas inúmeras teorias, mas, comeste filme, gostaríamos de aventar outra", disse Greenaway arepórteres em Veneza, onde o filme integra a competiçãoprincipal do Festival de Cinema da cidade. "A história não existe -- existem historiadores, apenas.Não posso provar cada fato, mas vocês tampouco os poderãodesmentir." Ele disse que existem pelo menos 51 "mistérios" no quadro,incluindo a garota ou o anão em meio à multidão de homens, osignificado de um mosquete sendo disparado, se duas das figurasmasculinas principais estavam tendo um caso e se um homem nofundo do quadro, com um olho visível, seria um auto-retrato doartista. No filme, Rembrandt aceita com relutância a encomenda depintar os pomposos mosqueteiros, mas, ao mesmo tempo em quezomba de seus ares imponentes, insere acusações de assassinatona obra. O filme lança a hipótese de que o equivalente à "turma dasboates" da Amsterdã do século 17 tenha procurado arruinarRembrandt como vingança, sujando sua reputação e tentandocegá-lo. SEXO E PALAVRÕES Greenaway disse que se perguntou por que Rembrandt, tão bemsucedido, descambou para a pobreza depois de "Ronda Noturna"ter sido completado, nos anos 1640. "Quinze anos depois, ele estava falido. Sempre foi muitodifícil explicar essa história, de um homem de posses queperdeu tudo", disse o diretor. Greenaway disse que seu filme é sobre a própria arte e oporquê de pintores e cineastas tentarem criar a ilusão de queaquilo que retratam é real. No filme, ele usa sets teatrais e técnicas de iluminaçãoque lembram as obras-primas da arte do norte europeu no século17. O papel de Rembrandt é representado pelo britânico MartinFreeman, conhecido principalmente pelo papel de Tim na comédiade TV "The Office". Com muitos palavrões e nudez, o filme procura desmistificara personalidade de Rembrandt. "Acho importante infundir um senso de humor a essepersonagem", disse Greenaway. "Isso o impede de ser o grandeartista atormentado que é de certa forma de outro planeta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.