Pessoas vendáveis e pessoas invendáveis

NOVA JERSEY - As sociedades têm um inconsciente, como as pessoas, e às vezes as sociedades tomam rumos inconscientes que horrorizariam as pessoas se elas tomassem consciência de para onde realmente estão seguindo. Quando Mussolini chegou ao poder, inocentemente prometeu fazer os trens circularem no horário. Todos queriam que os trens circulassem no horário. Ninguém teve consciência de quanto custaria essa pontualidade.

Lee Siegel, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2012 | 02h11

Nos últimos anos, a sociedade americana veio criando um sistema de dois níveis que está dividindo o país em dois grupos: pessoas vendáveis e pessoas invendáveis. Esse movimento divisório se desenrola em muitas áreas da vida americana, mas em nenhuma é mais influente, e venenoso, do que na educação pública. No entanto, ele parece ser apenas mais uma técnica benigna para nos tornar mais felizes e mais eficientes.

Já escrevi anteriormente sobre como "ensinar para realizar provas" é trair uma geração de jovens americanos. A qualidade de inteligência formal é elevada, e as qualidades de intuição, criatividade e empatia são desvalorizadas. Isso é perfeito para uma sociedade guiada estritamente pelas linhas do mercado. Mas é muito ruim para a criação de uma sociedade de pessoas imaginativas, curiosas, interessantes.

E agora começou a mais recente ofensiva contra O Invendável. Ela se chama Common Core State Standards (padrões estatais essenciais comuns, em tradução literal). Trata-se de uma série de indicações de leitura para alunos do jardim da infância ao ensino secundário. Apesar de estarem previstos para entrar em vigor somente em 2014, esses padrões já estão sendo implementados em todo o país. O traço mais marcante das diretrizes de leitura é sua ênfase em não ficção. Elas dizem que a maioria dos textos indicados para os estudantes deve ser materiais de leitura como, segundo um relato confiável, "documentos históricos, tratados científicos, mapas... receitas e horários de trens". Quando os estudantes estiverem no segundo grau, dizem as diretrizes, 70% de sua leitura deveriam ser de não ficção por esses critérios.

Assim, a guerra contra a literatura imaginativa que foi travada durante as "guerras culturais" dos anos 1990 finalmente atingiu seu objetivo. Na época, os textos imaginativos, intuitivos, empáticos eram considerados de pouco valor. Nos anos 1990, essa crença era justificada pelo argumento de haver muita literatura com um viés contra mulheres e minorias. Isso, claro, era absurdo, já que, de um lado, tempos diferentes tinham costumes diferentes, como reza o velho ditado. Mas é também verdade que textos condenados por serem imperialistas, por exemplo, não eram nada disso. Mansfield Park, de Jane Austen, era constantemente atacado pelo que seus detratores alegavam ser atitudes imperialistas de Austen quando, de fato, o livro era no mínimo um ataque ao imperialismo, a começar por seu título. Mansfield Park foi onde, em 1771, um tribunal britânico emitiu uma sentença proibindo a posse de escravos negros - caçados nas Índias Ocidentais ou na África - na Inglaterra.

Não me passou despercebido na época que os professores mais veementes na condenação de quase toda literatura ocidental com base em fundamentos politicamente corretos eram também figurões Wasp (da elite branca protestante). Suas restrições tiveram o efeito de dificultar para estudantes de origem humilde o acesso às grandes obras de imaginação. Isso foi esperto da parte dos figurões Wasp porque a grande literatura é subversiva da mesma ordem social de cujo topo eles confortavelmente mandavam. A heroína de Mansfield Park é uma garota pobre solitária.

A mesma dinâmica está ocorrendo no boicote da literatura imaginativa pelo Common Core, só que desta vez o pretexto não é a virtuosidade politicamente correta, mas as demandas da nova economia. Vivemos hoje em uma economia informática, dizem os proponentes do Core. É fundamental que os estudantes dominem a compreensão de textos informáticos para prosperarem na nova economia informática. A literatura, eles dizem, apenas os ajuda na "autoexpressão", que é autoindulgente. Pior, ela conduz à ineficácia e à queda da produtividade.

Assim, mais uma vez, há pessoas sentadas confortavelmente no topo da sociedade, que desfrutaram uma educação clássica, enriquecida pela leitura de todas as grandes obras da literatura, negando essas mesmas obras à geração atual de jovens. Seja qual for a intenção - e estou certo de que o caminho para esse destino particular está forrado de boas intenções -, as consequências estão perfeitamente alinhadas com os valores do mercado que se apoderaram de todas as áreas da vida americana. As pessoas que dominam o mundo concreto da informação ajudarão a impelir o mundo concreto do lucro. As pessoas que se perdem nas áreas cinzentas confusas e na névoa envolvente de ficção e poesia em nada contribuem para a economia.

Talvez não seja coincidência que, ao mesmo tempo, as grandes editoras de livros estejam se fundindo neste país, a ponto de em breve existir somente uma editora gigante, não diferente do aparato editorial estatal da antiga União Soviética. O Common Core terá um efeito parecido no âmbito pessoal, na medida em que funde indivíduos distintos numa entidade coletora de informações. Mas é a literatura que faz aflorar a singularidade de cada indivíduo. E é a singularidade individual que um dia se ergue contra o pensamento único, a estupidez, o assassinato em massa e diz: Basta! Não surpreende que os comissários soviéticos preferissem a leitura de mapas e horários à leitura de ficção e poesia.

Na verdade, a literatura (ainda) não foi colocada na ilegalidade, e os jovens que a desejam procurarão por ela. Mas eu temo pelos jovens que ainda precisam ser informados de que ela existe, antes de mais nada. Eles poderão não descobri-la jamais; ou, se o fizerem, poderão descobri-la quando estiverem mais velhos e sob o peso de responsabilidades e da falta de tempo e sofisticação para ler obras de arte exigentes.

O resultado será uma nação de ovelhas que jamais foram ensinadas por ficção ou poesia, que os dados da vida podem ser mudados, que arranjos sociais injustos e cruéis são arbitrários, que sofrimento, revezes e erros são universais, e que, portanto, eles não deveriam se punir por não ser dentes de engrenagem perfeitos numa sociedade obcecada por perfeição.

Mas eles saberão ler um horário de trem! E, sem dúvida, a essa altura todos os trens estarão circulando no horário.

Tudo o que sabemos sobre:
Lee Siegel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.