Pesquisadora revê história e importância do café

A história de elite cafeeira no Brasil ganha nova análise com o livro Café: Histórico, Negócios e Elite (Editora Olho d´Água, 189 págs., R$ 22,00). Escrito pela historiadora Maria Dilecta Grieg, trata-se de cuidadoso relato que, ao flertar com as tendências da nova história, resgata a memória de um dos principais períodos da história do País. O lançamento do livro ocorre hoje, às 19 horas, durante o Seminário Internacional do Café, no Guarujá, litoral paulista. A idéia inicial, desenvolvida pela professora da PUC/SP Maria Izilda S. Matos, era estudar o papel da mulher nessa elite mas a pesquisa acabou ganhando outro tom. "Quanto mais eu pesquisava, mais apaixonada ficava pelo tema e resolvi ampliar a discussão", afirma Maria Dilecta, que tem razões também pessoais para se interessar pelo tema. "Vivo em Santos, meu avô era fazendeiro e meu tio exportador de café". Maria Dilecta ouviu 15 pessoas em sua pesquisa, fazendo, assim, uma incursão no campo da história oral. "Meus protagonistas são pessoas de destaque na época e me entregaram suas vidas nas conversas que tivemos". No entanto, com a intenção de conciliar razão, tradição e emoção, a pesquisadora também buscou auxílio em obras de autores como Affonso Taunay, Caio Prado Jr. e Sérgio Buarque de Holanda. Relatos de viajantes também foram analisados. "O estudo de relatos de imigrantes e viajantes possibilitou perceber o olhar do europeu para a nossa realidade". Apesar de ter como foco da pesquisa o modo de vida da elite cafeeira, Café: Histórico, Negócios e Elite também discorre sobre a vida dos trabalhadores negros e imigrantes da lavoura. O imaginário popular em torno da bebida e da planta também é lembrado em contos e cantigas que atestam a importância do café não apenas na história oficial, mas também na cultura popular. Outra parte do trabalho é toda dedicada aos negócios cafeeiros. A composição de sociedades de cafeicultores, os comissários de café, as exportações e o surgimento das grandes fortunas aparecem ao lado de discussões políticas que movimentavam a época.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.