Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Pesquisador identifica influência do teatro na obra de Machado de Assis

Para autor, a presença da peça de Shakespeare é fundamental na obra do bruxo do Cosme Velho

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

25 de abril de 2014 | 19h14

Antes de ser romancista (e de se transformar em um dos maiores nomes da literatura em língua portuguesa), Machado de Assis (1839-1908) desejava ser dramaturgo. Ainda jovem, chegou a escrever sete peças, mas foi o veredicto do jornalista Quintino Bocaiuva quem o convenceu a adotar a ficção: "Bocaiuva lhe disse que suas peças eram mais para serem lidas que encenadas, pois eram mais cheias de ideias que de dramas", observa o escritor e pesquisador José Luiz Passos, autor de Romance com Pessoas, obra que ganha nova versão, agora pela Alfaguara, e que se consolida como uma das principais análises contemporâneas sobre a escrita machadiana.

Passos mostra como, em seus romances e contos, Machado utilizou o julgamento moral como um detalhe decisivo na construção dos personagens, tornando-os únicos naquele momento da literatura brasileira (segunda metade do século 19). É nesse ponto que entra a paixão pelo teatro - e mais decisivamente as peças de Shakespeare - como modelo para sua "sondagem da vida interior e do engano moral".

Vencedor do Prêmio Portugal Telecom do ano passado com o romance O Sonâmbulo Amador, o pernambucano José Luiz Passos constata que Machado tinha grande interesse pela vida interior dos personagens. "É a pedra de toque da sua literatura. E essa vida é formada pelos valores morais que o sujeito tem dele próprio."

O pesquisador passou longos meses na Academia Brasileira de Letras, folheando os livros que pertenceram à biblioteca de Machado. "Levantei a marginália dele, ou seja, o que anotou, sublinhou, tentando descobrir o que lhe interessava e como isso teria influenciado sua ficção", conta Passos, que notou Shakespeare como uma referência constante. "Talvez, com exceção da Bíblia, ele seja o autor individualmente mais citado por Machado: há cerca de 230 referências diretas a quase 20 peças do bardo - desde 1858, quando publica seu primeiro poema, Ofélia, referência a Hamlet, até 1908, quando cita Shakespeare em Memorial de Aires, algumas vezes com ironia, como quando compara o drama de Romeu e Julieta com o de Cibélia."

Passos notou ainda que, nos momentos centrais dos romances machadianos, em que o protagonista se avalia, ou entra em crise, Shakespeare é invocado. "Com isso, tentei criar uma relação entre a fascinação pelo bardo com a mecânica de criação dos próprios personagens."

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

Em sua pesquisa sobre a importância de Shakespeare na obra de Machado de Assis, José Luiz Passos fez importantes descobertas. Percebeu, por exemplo, que o autor brasileiro se refere a Otelo ao menos 30 vezes em sua obra. "Ele tenta reescrever Otelo em vários contos, flerta com isso em Ressurreição, no qual cita Iago, até atingir o auge em Dom Casmurro", observa ele, lembrando de uma obra clássica dos anos 1960, O Otelo Brasileiro de Machado de Assis (Ateliê), em que a americana Helen Caldwell traça um perfeito paralelo entre Otelo e Dom Casmurro, a ponto de se fazer pensar que Capitu, assim como Desdêmona, é inocente na traição.

Em seu livro Romance com Pessoas, cuja primeira edição saiu em 2007, José Luiz Passos torna precisa ainda a afirmação de Machado ser o grande nome da literatura brasileira no final do século 19, época dominada por escritores românticos, como José de Alencar, e naturalistas, como Aluízio de Azevedo. "Entre esses, Machado cria o que digo ser uma terceira via."

Na época, aponta o pesquisador, havia dois modelos que dominavam o mundo da ficção. Um era o de Alencar, marcado por relações arquetípicas e valores ideais, como a virtude, a pureza, a vilania. "Os personagens eram marcados por valores absolutos, que determinavam traços de personalidade ou qualidades associados a valores sociais", conta. "Havia também a fórmula naturalista, em que os personagens são resultantes de determinações muito maiores, e incontroláveis, de origem climática, racial, etc."

E eis que Machado cria uma terceira via para o romance, uma outra maneira de observar, em que predomina uma descrição mais robusta do universo interior dos personagens, oferecendo-lhes uma psicologia plenamente individualizada.

"E como Machado faz isso? Optando por uma espécie de anacronismo deliberado e buscando na literatura do Renascimento (Cervantes, Shakespeare, Dante e Camões) determinadas maneiras de falar sobre valores humanos que pertencem à vida moral, ao mergulho do eu, ao terreno da dúvida, à avaliação do indivíduo, e à capacidade de fingir", analisa.

"Com isso, adensa os personagens fazendo com que tenham uma relação complexa com o tempo, ou seja, que eles percebam que mudaram entre o começo e o fim da história."

Gênio ou crápula. Exemplos não faltam. Em Iaiá Garcia, a protagonista se educa observando as outras pessoas dissimularem. "Ela começa como uma adolescente ingênua e chata e termina como uma mulher segura e informada pela desconfiança. Já Brás Cubas reconta a própria história de uma forma que, se o leitor confiar, descobre um gênio, mas, se desconfiar, encontra um crápula. O que esses personagens diferem dos alencarianos e naturalistas é um dinamismo moral, uma invenção machadiana para as letras brasileiras. Ele cria uma variante fundamental para a narrativa nacional que vai resultar no realismo psicológico."

Na conversa que teve com o Estado, Passos revelou particular interesse pelas obras finais de Machado, Esaú e Jacó (1905) e, sobretudo, Memorial de Aires (1908). "Eles espantam o leitor, pois não têm a pirotecnia verbal e conceitual de Brás Cubas, nem o pathos trágico de Dom Casmurro, ou mesmo aquela alegria humana e às vezes farsesca de Quincas Borba. São romances muito sutis, pertencentes à fase simbolista de Machado."

Futuro. Um dos planos do pesquisador é escrever sobre a relação de Machado com Henry James, sobretudo nas semelhanças entre Memorial de Aires e Os Embaixadores. "Aires é um personagem dentro do romance, pois se trata de um diário, mas a visão de mundo do narrador onisciente em terceira pessoa se cola de tal maneira à consciência de Aires que ela é uma perspectiva dele. É fascinante e é uma técnica literária também utilizada por James, em seu livro", observa. "Ainda pretendo escrever sobre essa conexão entre a última obra de Machado com Henry James."

ROMANCE COM PESSOAS

Autor: José Luiz Passos

Editora: Alfaguara(400 págs.,R$ 46,90 ou, na versão e-book, R$ 29)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.