Pesquisador acha peça inédita de Lope de Vega

'Mujeres y Criados', escrita entre 1613 e 1614, estava na Biblioteca Nacional de Madri

EFE

24 de janeiro de 2014 | 20h52

 A Biblioteca Nacional da Espanha anunciou esta semana ter encontrado em seu acervo uma cópia manuscrita de uma obra inédita de Lope de Vega, Mujeres y Criados, dada como perdida. 

O material foi encontrado por Alejandro García Reidy, pesquisador do grupo Prolope, da Universidade Autônoma de Barcelona, e professor da Universidade de Syracuse, nos Estados Unidos, que editará a comédia em livro impresso e na internet. 

A apresentação oficial será feita nos próximos meses em Madri, quatro séculos depois de ela ter sido criada.

O manuscrito localizado, uma cópia do século 17, não tinha sido relacionado, até agora, com esta obra de Lope de Vega, um dos mais importantes dramaturgos do Século de Ouro e da cena europeia do século 17, com uma relevância fundamental no desenvolvimento do teatro moderno e que deixou escrita abundante obra composta de 1.500 comédias – das quais mais de 300 foram conservadas. 

O dramaturgo incluiu essa obra na lista de suas comédias incorporada à edição de 1618 de El Peregrino en Su Patria.

Mujeres y Criados, escrita entre 1613-1614, é uma peça com um enredo vivaz e com os melhores traços de um Lope de Vega maduro, quando seu êxito como dramaturgo estava no auge. 

A obra pertence ao gênero da comédia urbana e coincide com seu estilo de escrita – a subversão com que desenvolve certos temas, como as hierarquias sociais e a honra, e o papel predominante que concede às mulheres na trama.

A história se passa em Madri e tem como protagonistas duas irmãs, Violante e Luciana, e ainda Claridán e Teodoro, garçom e secretário do comandante Próspero, respectivamente. Esses dois casais, cujo amor era secreto até o momento, se veem envolvidos com a aparição de outros dois pretendentes: o próprio conde Próspero, que quer Luciana, e o rico Pedro, que corteja Violante com o auxílio do pai da moça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.