PERFIL-Valentino foi o estilista que embelezava as mulheres

O estilista Valentino, que anunciounesta terça-feira sua aposentadoria da casa que fundou,tornou-se sinônimo de glamour ao longo de 45 anos vestindonobres e estrelas em seus vestidos de noite da corvermelho-vivo. O simpático italiano ganhou fama quando Jacqueline Kennedypediu a ele que desenhasse o vestido do seu casamento comAristóteles Onassis. Junto de Giorgio Armani e Karl Lagerfeld,é considerado um dos principais estilistas vivos. A aguardada aposentadoria dele ocorrerá depois de umdesfile de alta-costura, no ano que vem. Em julho, Valentino deu três dias de festa nos locais maiscélebres de Roma para comemorar seus 45 anos de carreira, com apresença de astros como Uma Thurman e Mick Jagger. Na época,negou que sua aposentadoria fosse iminente. Mas a despedida estranhamente chorosa ao final daqueledesfile, quando colocou dezenas de modelos com seus vestidos napassarela, sugeria que era o fim de uma era. Nesta terça-feira, "Va-va", como chamam os fãs, disse queseu "magnífico" aniversário --que teria custado 10 milhões dedólares-- seria irrepetível e que chegou a hora de pendurar astesouras. Em nota, ele afirmou: "Eu quero dizer, como fazem osingleses: ''Gostaria de sair da festa quando ela ainda estácheia"''. Valentino, tão famoso pelos vestidos quanto pelo estilo devida extravagante e pelas festas, nasceu numa família simplesem Voghera, norte da Itália, em 1932. Diz que foi a mãe quemestimulou o seu gosto pela moda. Aos 17 anos, trocou a região industrial onde nasceu porParis, onde aprendeu o negócio da alta-costura. Seu sonho eraalgo hoje mal-visto por muitos no setor --simplesmente deixaras mulheres mais bonitas. "Amo as mulheres. Sempre tentei fazê-las parecer muitosensuais, muito glamourosas", disse ele certa vez. A ascensão dele coincidiu com o auge do cinema italiano, eseus vestidos e saias com cintura de vespa ficaram associados amusas como Sophia Loren. Em 1962, ele já havia consolidado seunome como mestre da alta-costura italiana a partir de sua base,em Roma. (Reportagem adicional de Marie-Louise Gumunchian)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.