Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pequenas coisas da vida

Eu sei que a vida é uma tristeza, que o trabalho escravo ainda é uma realidade, que as taxas de homicídio estão nas alturas, que o número de acidentes de carro a cada ano crescem mais e mais, que o câncer tá aí, e que tudo isso e outras setecentas coisas horríveis e tragédias que assolam a humanidade poderiam me desmoralizar ao dizer o que eu vou dizer, mas eu vou dizer: o que acaba com o meu dia de verdade, me deixa de mau humor, de saco cheio, puto, revoltado, são as pequenas coisas. Muito mais do que o tufão que desabrigou milhares de pessoas em Bangladesh.

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2014 | 02h10

Tem coisa pior do que chegar na entrada do seu apartamento e descobrir que você deixou a chave da porta no carro? Ter que descer seis andares até a garagem pra pegar a chave só pode ser pior se o elevador do qual você acabou de descer não tem nem dez segundos não se encontrar mais no seu andar. Acordar dez minutos antes do despertador tocar e perceber que você perdeu os minutos mais sagrados da história do seu sono. A água do chuveiro oscilar entre o muito quente e o muito frio e você não conseguir regular. Você não conseguir comer direito o seu peixe por causa das espinhas minúsculas. Aquele um mosquito, um, que vem direto na sua orelha. Por que ele não me pica logo no braço e vai embora? Ou aquele mosquitinho, menor que um mosquito normal que fica voando na sua cara e que você não consegue matar nem com um revólver. Mosca, qualquer mosca. Abrir a geladeira sedento por aquele último pedaço de pizza e descobrir que alguém jogou fora porque achou que devia estar estragado. Aquele cachorro do vizinho que começa a latir e desperta a ira de todos os cachorros que existem no seu bairro. Procurar uma vaga no shopping há horas, perceber uma família voltando pro carro, esperar ansioso crente que eles estão saindo e descobrir que, na verdade, eles só voltaram no carro pra pegar alguma coisa que eles esqueceram. COMEÇAR A ESCREVER UM EMAIL E DESCOBRIR QUE VOCÊ ESTÁ ESCREVENDO COM O CAPS LOCK LIGado. Precisar ligar urgente pra alguém e o celular não estar com sinal. Você ficar horas falando ao telefone até perceber que a linha caiu praticamente depois do seu "alô" e que você vai ter que repetir tudo de novo. Optar por um caminho alternativo no trânsito e ele estar mais congestionado do que o caminho normal que você deixou de seguir. Enfim, esses são pequenos exemplos de coisas banais, imbecis, idiotas, malditas e escrotas, mas que fazem com que a minha vida se resuma a ódio completo. E você? Que situação deixa você mais revoltado do que saber do tráfico de crianças paquistanesas vendidas na fronteira do Congo Belga?

Tudo o que sabemos sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.