Pelo Haroldo!

Homem e mulher na cama.

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2013 | 02h17

- Foi bom?

- Foi.

- Muito bom ou só bom?

- Francamente, eu...

- Está bem. Me dá uma nota. De zero a dez, que nota você me dá?

- Sete.

- Sete?!

- Você quer que eu minta, Haroldo? Estou sendo franca.

- Você me pediu uma...

- Peraí. Que foi que você disse?

- Eu disse que estava sendo franca.

- Não, antes. Você disse "Você quer que eu minta, Haroldo".

- É.

- O meu nome não é Haroldo!

- Não é?

- Grande. Você me confundiu com outro.

- Se você não é o Haroldo, então quem é?

- E eu vou dizer? Com nota sete, eu vou dizer quem eu sou?

- Mas...

- Vamos de novo. Apaga a luz. Pelo Haroldo!

Disfarça, disfarça. Dois homens tramando um assalto.

- Valeu, mermão? Tu traz o berro que nóis vamo rendê o caixa bonitinho. Engrossou, enche o cara de chumbo. Pra arejá.

- Podes crê. Servicinho manero. É só entrá e pegá.

- Tá com a máquina aí?

- Tá na mão.

Aparece um guarda.

- Ih, sujou. Disfarça, disfarça...

O guarda se aproxima deles.

- Discordo terminantemente. O imperativo categórico de Hegel chega a Marx diluído pela fenomenologia de Feuerbach.

- Pelo amor de Deus! Isso é o mesmo que dizer que Kierkegaard não passa de um Kant com algumas sílabas a mais. Ou que os iluministas do século 18...

O guarda se afasta.

- O berro, tá recheado?

- Tá.

- Então vamlá!

Para o maridinho. - Meu bem... Você está deslumbrante!

- Tudo para você, querido.

- Esse penteado...

- Fui a cabelereiro e pedi um corte novo para o meu maridinho me achar desejável. Fui ao maquiador e pedi que me deixasse bem bonita e sexy para atrair meu maridinho. Comprei esta camisola provocante para enlouquecer você.

- E conseguiu, meu amor. Você está...

- Não me toca senão estraga tudo!

Cada coisa. Rubenval tinha um lema: confidência em salão de beleza é sagrada. Segredos ditos a um cabeleireiro eram mais invioláveis do que os segredos do confessionário. Os ouvidos de um padre eram apenas os receptores de Deus, para quem os fiéis se confessavam diretamente. Trair uma confidência de confessionário seria como grampear o telefone de Deus. Rubenval não sabia exatamente com que entidade superior a pessoa falava quando falava com seu cabeleireiro, só sabia que merecia o mesmo respeito. E olha que ele ouvia cada coisa...

- Que coisas, Ru? Conta.

- Jamais!

Mas Rubenval começou a ficar nervoso depois que seu salão virou, como ele diz, unissex. Rubenval não sabia o que era confidência escandalosa até começar a fazer cabelo de homem também. Eram inimagináveis, as coisas que ouvia fazendo "boufands" em políticos e mechas em líderes empresariais. Os homens, muito mais do que as mulheres, pareciam perder toda a discrição depois de um xampu. Rubenval não se sente à vontade, com tanta informação acumulada, e está até com um problema na pele, de tanta tensão.

- O que eles dizem, Ru? Dá uma amostra.

- O quê? Eu, derrubar a República?

Mais conteúdo sobre:
Luis Fernando Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.