Pelé ''Preciso andar de iate com ele''

"Eu tenho orgulho de ser da mesma geração de Roberto Carlos. Cada um à sua maneira, enaltecemos este País e o fizemos ser mais respeitado. Como jogador do Santos, chegava a muitos lugares nos quais as pessoas já conheciam Roberto. Ia jogar na Itália e logo se lembravam do Festival de San Remo, em que ele despontou como cantor romântico. Bem, na época da Jovem Guarda eu tinha que treinar muito para jogar bem porque não queria envergonhar minha família nem decepcionar meus admiradores. E trabalhava mesmo, não pude curtir como eles. O Santos fazia dois, três jogos por semana naqueles anos 60. Ou seja, enquanto eu trabalhava a turma da Jovem Guarda festejava (risos). De vez em quando o Roberto me encontra e fala "pô bicho, você precisa dar uma volta comigo no meu barco". Mas eu tenho um problema com isso. Quando ando de barco eu enjoo pra caramba (risos). Então nunca pude aceitar esse convite. Mas foi na música, claro, com Roberto como meu professor, que acabamos fazendo tabelinha. Uma vez gravamos juntos uma música com letra minha chamada O Mundo é Uma Bola, eu tenho o DVD desse momento. Aliás, você quer saber? Há pouco tempo eu dei uma música que fiz para ele ouvir e ver se queria gravar, mas ele estava fazendo um DVD com participações especiais dos cantores sertanejos e outro especial só com cantoras. Talvez ele não tivesse tido tempo de ouvir a música que enviei por meio do Dodi Sirena (empresário de Roberto). Sobre o fato de eu ser mais acessível do que ele, penso que isso passa pela personalidade de cada um. Uma personalidade construída com o tempo e relacionada com o que você faz. Aos 14 anos eu estava no Santos. Aos 16 na Seleção Brasileira e aos 17 na Copa do Mundo. Fui criado com isso. Não tenho problema em falar com as pessoas. E acho que, no dia em que eu não estiver em condições de atender bem as pessoas, não saio de casa. A vida de viagens do Roberto, no início, foi menor do que a minha, e ele precisava se concentrar, compor, gravar. Ainda assim, quem conhece o Roberto sabe. Ele é uma excelente pessoa. Preciso tomar uns remédios para não enjoar e poder dar umas voltas com ele de iate."

, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2011 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.