Divulgação
Divulgação

Pedro Lourenço desfila oficialmente no circuito de Paris

Aos 19 anos, filho de Glória Coelho e Reinaldo Lourenço mostra sua coleção na Semana de Moda de Paris

Chris Mello, de O Estado de S. Paulo,

11 de março de 2010 | 17h29

Pedro Lourenço se apresentou oficialmente, sexta, para o circuito internacional de moda em desfile em Paris. O desfile foi feito sem ajuda de Paulo Borges – e com uma quantia mínima de incentivo da Abest, que geralmente contribui com cerca de US$ 50 mil para desfiles internacionais de estilistas eleitos pela associação. Será que não é hora de rever o posicionamento e tirar a tampa da panela? O desfile de Pedro foi 90% bancado pela iniciativa privada. E teve as melhores críticas possíveis. "Lindamente feito à mão", pontuou Suzy Menkes, crítica do The Herald Tribune. O buzz de backstage era de que Anna Wintour, da Vogue USA, teria ficado bem impressionada com o resultado do desfile de um estilista de só 19 anos. Natural que seja um primor, sendo Pedro filho dos avant-garde Reinaldo Lourenço e Glória, que praticamente o educaram em suas fábricas de moda. "Foi melhor desfile do dia", disse Sarah Mower, do site InStyle. Considerando que no mesmo dia desfilou Lanvin... Pedro parece estar no bom caminho. O estilista costurou a coleção no ateliê de Glória durante dois silentes meses. Após o desfile, conversou com o Estado:

 

As críticas foram boas, agora você pode explicar o seu trabalho?

Foi um desfile essencialmente técnico para chegar às formas. Pesquisei técnicas possíveis e impossíveis. O que me interessa é o desenvolvimento tecnológico e técnico para descobrir funcionalidades. Estética por estética não basta. Trabalhei as costas das roupas de maneira bem industrial e a frente, organicamente. O desconforto é necessário para um resultado novo.

 

Pois agora o maior investimento da indústria da moda é no desenvolvimento de tecidos tecnológicos e exclusivos, já que tudo se copia. O couro que você usou vem de onde?

Espanha. É tratado com uma técnica bicentenária usada em couro para luvas. Supermole, dublado para dar estrutura. As tiras são cortadas na forma do corpo e finalizadas com técnicas acadêmicas para selar sapatos e bolsas. Os tecidos transparentes são suíços e considerados os mais leves do mundo. O brilho dos metalizados é, na verdade, estampa!

 

Inspiração...

O clima aristocrático do trabalho da Jamine Gentêt, que nos 60’s criou os ambientes de caça para vitrines Hermès. A coleção é construída com referências a Diana Caçadora (Artemis, da mitologia) e com a leveza das linhas de Oscar Niemeyer.

 

As vendas?

Superpositivas. Vou vender para poucos, poucas peças para ser um produto muito exclusivo e com qualidade.

Mais conteúdo sobre:
Pedro Lourenço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.