Peças e contos celebram centenário de Nelson Rodrigues

Nada melhor para homenagear um dramaturgo do que colocar seus textos no palco para a apreciação do público. E isso acontece com Nelson Rodrigues neste ano em que é comemorado o seu centenário - ele nasceu no Recife, em 23 de agosto de 1912, e foi com a família ainda pequeno para o Rio de Janeiro, onde morreu em 1980. Entre as tantas celebrações da obra do polêmico e inovador autor que tomam forma neste ano, algumas das suas 17 peças e também adaptações de sua produção literária tomam seu lugar de direito nos próximos dias na capital.

AE, Agência Estado

27 de junho de 2012 | 11h18

Essa leva começa na sexta-feira, no Teatro do Sesi, com a estreia de "Boca de Ouro", com o ator Marco Ricca no papel do bicheiro carioca que troca toda sua dentição por dentes feitos com o nobre metal. A montagem do diretor Marco Antônio Braz faz parte do projeto Nelson Rodrigues 100 Anos, que vai alternar a apresentação dessa peça com "A Falecida", esta em cartaz entre 6 de julho e 2 de setembro, com Maria Luisa Mendonça interpretando Zulmira. Em 8 de setembro, quem assume o papel da suburbana que deseja um funeral luxuoso para si é a atriz Lucélia Santos, que fica até o final da temporada, em 2 de dezembro.

"Eu perguntei ao Nelson Rodrigues numa sexta-feira à noite e ele respondeu que queria que elas fossem encenadas porque são peças que têm como pano de fundo uma realidade brasileira e popular", brinca o diretor, sobre a escolha dos textos. "No caso do Boca de Ouro, o jogo do bicho e o carnaval, e, em A Falecida, o futebol."

Assim como Marco Antônio Braz, outro diretor, Luís Artur Nunes já montou espetáculos do autor e é um apaixonado por sua obra. Sob sua direção, estreia dia 6, no CCBB, "Rodriguianas: Tragédias para Rir", com elenco encabeçado por Marcos Breda, Fernanda D''Umbra e Duda Mamberti. A peça é uma reunião de oito contos publicados no jornal "Última Hora". No palco, os atores - em linguagem não-realista - são contadores de histórias que giram em torno de adultério, assassinato, suicídio e taras, evidenciando o lado tragicômico das crônicas do dramaturgo. "A gente aposta que a teatralidade provoque prazer estético na plateia", diz Nunes.

E no Instituto Itaú Cultural, como parte da Ocupação Nelson Rodrigues, estão programadas peças do diretor Nelson Baskerville, que já estiveram em cartaz na cidade. No sábado e no domingo, às 20h, é a vez de "17 X Nelson - Se Não É Eterno, Não É Amor". Nela, o diretor revisita 50 personagens das 17 obras teatrais do dramaturgo, tendo como mote o amor e a morte.

E nos dias 21 e 22 de julho, será apresentada a montagem de "Os Sete Gatinhos", em que o ator Renato Borghi interpreta Noronha, o patriarca de uma família disfuncional. Pai de cinco filhas, quatro delas prostituídas, o funcionário público deposita suas esperanças de "salvar" a unidade familiar na jovem e casta Silene. Mas, como se trata de Nelson Rodrigues, algo sempre se revela por trás das aparências. As informações são do Jornal da Tarde.

"Boca de Ouro"; de quarta a 25/11. "A Falecida"; de 6/7 a 2/12.

Teatro do Sesi (Av. Paulista, 1.313). Tel. (011) 3146-7405. Qui. e sex., grátis; sáb. e dom., R$ 10. 14 anos. www.sesisp.org.br/cultura.

"Rodriguianas: Tragédias para Rir". CCBB (R. Álvares Penteado, 112). Tel. (011) 3113-3651. De 6/7 a 2/9. Sextas, 20h; sábados, 17h e 20h, e domingos, 20h. R$ 6. 14 anos.

"17 X Nelson"; sábado e domingo, às 20h. "Os Sete Gatinhos"; dias 21 e 22/7, às 20h. Itaú Cultural (Av. Paulista, 149). Tel. (011) 2168-1776. Grátis. 16 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
teatroNelson Rodrigues

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.