Peça retrata a realidade das mulheres iraquianas

O que sabemos sobre os sentimentos dasmulheres iraquianas? O imaginário da maioria dos ocidentais épovoado mais por mitos que falam de burcas e véus do que porreal conhecimento. A possibilidade de revelar um pouco da almade mulheres que vivem no Iraque foi o que atraiu a atrizClarisse Abujamra a levar ao palco o solo "As Nove Partes doDesejo", que estréia sexta-feira no Tusp sob direção de MárcioAurélio. Heather Raffo, atriz americana filha de pai iraquiano, éa autora do texto. Quando indagada se havia escrito a partir dedepoimentos, respondeu: "Eu não entrevistei, eu abracei cada umadessas mulheres, vivi com cada uma delas." Clarisse viu oespetáculo em Nova York há dois anos. "Fiquei fascinada, mastambém na dúvida se não seria um trabalho oportunista. Volteipara o Brasil, mas o espetáculo não saía de minha cabeça. Eu medei conta de que era oportuno e não oportunista - e há um abismoentre essas duas palavras." Um ano depois ela voltou aos EUA eadquiriu os direitos. "Começou aí uma amizade", conta Clarisse.A autora planeja vir ao Brasil em novembro para ver essa que é aprimeira montagem de seu texto interpretada por outra atriz -duas outras começam agora a ser ensaiadas, na França e na Síria. A peça coloca diante do público nove mulheres, desde umamédica, passando por uma artista plástica - que pinta corpos nusem pleno Iraque - até uma ?camelô? que vende de tudo pelas ruasdo país. "Esse espetáculo, antes de tudo, surpreende. Entre nós,ainda há um clima de mistério em torno dessas mulheres de véu",observa. "Por isso, o sentimento é de perplexidade, por exemplo,diante da personagem de uma beduína que conta por que largou oseu homem, uma das mulheres que fazem o público sorrir." Entre as nove mulheres, apenas duas não vivem no Iraque:a intelectual exilada em Londres e uma norte-americana. Estaúltima, reconhece pela TV o quintal de sua casa sendo invadido.Como fazer compras em Nova York depois disso? Clarisse antecipaainda que não há metáforas ou firulas no texto. "É tudo muitoreal, pão-pão, queijo-queijo", resume. Mas ressalta ainda abeleza na direção de Márcio Aurélio. "O espetáculo éabsurdamente diferente do interpretado por Heather." "Na primeira leitura, fiquei impactado e com a certezade que só uma mulher poderia ter escrito esse texto", diz MárcioAurélio. "A estrutura é de recortes, diferentes olhares sobre amulher - a mãe, a intelectual, a artista. O que buscamos forampassagens muito claras de uma para a outra, tratadas comdelicadeza." Na primeira cena entra uma personagem da culturalocal equivalente à nossa carpideira, a ?cantadora da morte?. Apartir daí, Clarisse vai trazendo cada uma dessas mulheres àcena. "A gente mergulhou muito mais fundo do que Heather jamaissonhou", diz Clarisse. As Nove Partes do Desejo. 80 min. 12 anos. Tusp (140 lug.).Rua Maria Antônia, 294, (11) 3255-5538. 6.ª e sáb., 21 h; dom.,20 h. R$ 20. Até 29/10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.