Divulgação
Divulgação

Peça narra história de casal gay que precisa se separar

'Ou Você Poderia Me Beijar' tem direção de Zé Henrique de Paula

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2014 | 21h40

Ou Você Poderia Me Beijar vem contar uma história cada vez mais rara, mas não incomum. Poderia ter acontecido com seus avós. Ou seus pais. Depois de 60 anos de união, um casal precisa aprender a se separar. Um deles está doente. Não demora muito a morrer. E a presença do Mal de Alzheimer, que mina as memórias desse que vai embora, só torna a despedida mais penosa.

O que contribui com a singularidade do texto é, ao olhar para essa dor tão compreensível, escolher trazer dois homens como par protagonista. Com direção de Zé Henrique de Paula, a montagem apoia-se em um texto inglês, originalmente produzido para o National Theater, de Londres. A dramaturgia cabe a Neil Bartlett e teve a colaboração da Handspring Puppet Company - a dupla de bonequeiros responsável pela mais festejada criação recente da cena londrina: War Horse.

Originalmente, Ou Você Poderia Me Beijar também foi concebida para ser encenada com bonecos. Na versão brasileira, a mecânica da obra foi adaptada e traz seis atores, escalados para interpretar os personagens principais em três momentos da vida: na velhice (vividos por Claudio Curi e Roney Facchini), na maturidade (Marco Antonio Pâmio e Rodrigo Caetano) e outro na juventude (encarnados por Thiago Carreira e Felipe Ramos).

A estrutura proposta pelo texto não permite apenas os flashbacks habituais, mas um efetivo transbordamento de tempos. Um procedimento que evidencia os pontos de contato entre passado e presente. "Existe uma indissociabilidade entre forma e conteúdo. É uma história que não seria a mesma se contada de outra maneira", considera Zé Henrique, encenador devoto da dramaturgia britânica recente.

Em meio à trama - que segue esse fluxo atravessado por interferências dos protagonistas em outras idades - há ainda a presença de vozes que escapam ao conflito principal. Todas elas a cargo da atriz Clara Carvalho. A voz de uma advogada, de uma cozinheira, de uma cientista que profere uma palestra sobre o processo de degeneração da memória.

É a própria identidade que se esvai conforme rareiam as lembranças. Nomeado apenas como B., o personagem de Roney Facchini surge em cena com uma caixa de fotografias. Quer recordar alguma coisa. Encontrar o fio de Ariadne que lhe permita retornar aquele ponto exato no qual perdeu-se de si mesmo.

Uma canção faz as vezes de "madeleine" na peça. What Are You Doing the Rest of Your Life, tema de Michel Legrand para o filme Tempo para Amar, Tempo para Esquecer, é capaz de mover o enredo: para frente e para trás.

Ainda que Neil Bartlett seja reconhecido como um autor engajado, esse título passa ao largo da militância. "Não é uma peça sobre o movimento gay", ressalva Claudio Curi. Para Facchini, "o que se está realmente discutindo é como essa célula, esses dois que se tornaram um só, vão fazer para se dividir agora".

Mas não se desconsideram as dificuldades extras que são impostas pela opção sexual do casal. O temor de se expor na Cidade do Cabo (onde se passa a história) dos anos 1970. A ausência de garantias legais de que um vá herdar os bens do outro em caso de morte.

Ou Você Poderia Me Beijar é uma história sobre o amor. E sobre a velhice, o desamparo, o medo, a intolerância. Talvez, o autor tenha sido generoso a ponto de permitir que cada espectador encontre aí o seu tema maior. Mas, sobre todos esses vieses, parece reinar o tempo. É ele a comandar as engrenagens. A abrir e fechar a gaveta de recordações. A fazer com que tudo que aconteceu uma vez, não deixe jamais de ecoar.

OU VOCÊ PODERIA ME BEIJAR

Teatro Núcleo Experimental. Rua Barra Funda, 637,

telefone 3259-0898. 6ª e sáb., 21 h; dom., 19 h.

R$ 40. Até 27/4. 

Mais conteúdo sobre:
Teatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.