Peça movimenta madrugada paulista

Com uma cama, colchão e algumas almofadas Juliana Jardim cria o quarto de Madrugada, a personagem principal que dá o nome à peça que estréia hoje, à meia-noite, no teatro Crowne Plaza. Nele, Juliana é a prostituta que compartilha um dia da sua vida com o público. Entre manhã, tarde e noite, Madrugada revê sua vida em uma crise vocacional divertida e dramática num daqueles momentos onde uma rápida decisão pode influenciar todo futuro. O atrativo maior é a participação da platéia, que faz da peça um bom motivo para a reflexão sobre o quotidiano e tira dela a pecha de mero entretenimento, que as autoras não negam."Odeio o tipo de teatro intelectualizado feito só para iniciados, a nossa idéia é criar grande empatia com o público para que eles se vejam na peça", conta Juliana, atriz, criadora do texto e do projeto. Numa briga entre a cultura de massa e a alta cultura, o espetáculo experimental Madrugada ficaria bem no meio termo, provoca a reflexão com intenção maior de divertir e sensibilizar a platéia.Mesmo com atriz sozinha no palco o texto não tem nada de monólogo. Muitos personagens entram e saem do quarto, através do telefone ou da memória da personagem que se multiplica no palco. Madrugada interpreta sua velhice e infância, além da amiga de profissão Argentina, e alguns clientes memoráveis na sua carreira. Fugir do moralismo foi uma das preocupações da direção minuciosa de Dedé Pacheco, que já foi assistente de Marco Nanini em O Médico e o Monstro. Ela tenta mostrar Madrugada como uma pessoa qualquer, que está em conflito com a sua carreira. Enquanto a amiga Argentina, que se orgulha de ser prostituta, dá o contraponto moral da peça. "A grande conquista do espetáculo é ter conseguido mesclar situações de muita empatia, com momentos cênicos mais áridos e reflexivos, difíceis de ser digeridos", aposta Dedé Pacheco. Madrugada começou sua gestação no Festival de Curitiba, em maio passado. Fez sua primeira temporada de uma semana no Teatro Paiol, com um espetáculo completamente diferente do atual. "Apesar da peça ter ido bem em Curitiba, estávamos muito insatisfeitas com o começo e o final", conta Juliana. Elas ensaiaram durante julho e agosto e apresentaram a versão final em Campinas no mês setembro.A peça surgiu de exercícios de improvisação e da pesquisa feita pelas duas sobre as técnicas cômicas do bufão e do clown, sobre os quais Juliana desenvolve sua tese de mestrado em Prática Teatral na ECA-USP. Junto com Dedé ela ainda têm dado workshops ligando o tema à peça.Seattle Festival - A organização do Seattle Fringe Festival, nos Estados Unidos, escolheu Madrugada para ser o primeiro representante da América do Sul no festival que já é o mais antigo do país. O Festival de Seattle existe desde 1989 e dá oportunidade a grupos experimentais. Por ele já passaram mais de 400 peças do Estados Unidos e Canadá, em sua maioria.Serão sete apresentações na cidade americana. "Geralmente, nestes festivais cada grupo só faz uma apresentação, no máximo duas, mas a gente vai ficar em cartaz uma semana", vibra Juliana. As exibições vão ser duas em língua portuguesa e as outras cinco misturando o português com a língua inglesa. "Como eu falo muito é importante as pessoas entenderem o texto, mesmo que trechos, para não perder esta prosódia brasileira que a peça tem", diz Jardim.Além da viagem para Seattle, o grupo planeja apresentações em festivais de Los Angeles e ainda quer rodar por outras cidades brasileiras. Para estes gastos, Madrugada ainda está procurando mecenas dispostos a investir no seu projeto. A idéia que tiveram para arrecadar foi uma "novidade" bem antiga. Todo a platéia receberá junto ao programa da peça um pedido de apoio à Madrugada. As pessoas que se interessarem em apoiar "compram" uma das 11 cenas à venda por um valor entre R$ 500 e mil reais. O comprador terá o seu nome associado à cena no material de divulgação da peça por onde ela se apresentar. "É mecenato puro e simples, como na Idade Média, mas o custo é pouco, e o apoiador vê a peça pronta antes de comprar a cena", conta Juliana.Madrugada - Veja as informações do roteiro

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.