Peça <i>Quase Nada</i> fala sobre crianças de rua

De um lado, falta total de amparo. Do outro, ausência de valores. Nesse contraponto reside o conflito da peça Quase Nada, texto de Marcos Barbosa que estréia nesta sexta-feira no Teatro Augusta, sob direção de Alain Brum. Quanto vale a vida de um pivete para um casal de classe média? Quanto vale para a mãe dele? São questões levantadas por essa peça, curta, quase um thriller. Na saída de uma festa, um casal é ameaçado, no sinal de trânsito. A tentativa de assalto termina mal para o ladrão, uma criança. Esse é o ponto de partida dessa peça que choca pelo diálogo que se segue entre o casal. "O texto provoca uma reflexão muito forte sobre valores", diz Brum. "Chamamos amigos para ver ensaios e um deles falou: o incrível é que isso pode acontecer com qualquer um de nós, agora mesmo, na saída do teatro." Mas Brum garante que não há maniqueísmos. "Só funciona se não houver caricaturas no palco, mas seres humanos em conflito." Quase Nada. 50 min. 14 anos. Teatro Augusta - Sala Experimental (50 lug.). Rua Augusta, 943, 3151-4141. 6.ª, 21h30; sáb., 21 h; dom., 19h. R$ 20. Até 10/12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.