João Caldas/Divulgação
João Caldas/Divulgação

Peça 'Covil da Beleza' retrata busca por estética, dinheiro e sucesso

Espetáculo tem texto de Eduardo Ruiz, indicado ao Prêmio Shell

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2013 | 20h17

A busca desenfreada pela perfeição estética tornou-se uma das doenças de nosso tempo. Assim como a ambição desmedida pelo dinheiro e pelo sucesso. Mas o que acontece, afinal, com quem já conquistou tudo isso? O espetáculo Covil da Beleza vem mostrar um condensado retrato dessa parcela diminuta da sociedade: aquela que parece ter tudo o que os outros perseguem tão arduamente.

Dirigida por Lavínia Pannunzio, a trama reúne sete personagens. Todos gravitando ao redor de um par de amigas: Isa e Bia. Ricas e acintosamente bonitas, as duas constroem uma perversa rede de poder. Um jogo em que submetem seus cônjuges e amigos a desmandos e humilhações. Ou, melhor dizendo, em que os outros se colocam, de boa vontade, à mercê dessa dominação.

Escrito por Eduardo Ruiz – que foi indicado para o Prêmio Shell pela obra Chorávamos Terra Ontem à Noite –, o texto se vale de uma estrutura própria dos folhetins, com intrigas, reviravoltas e segredos sórdidos a serem gradativamente revelados. “Interessou-me essa aparência que a peça tem. Tudo soa fácil e novelesco, mas vai se revelando muito desagradável”, comenta a diretora.

Uma maneira de reforçar essa filiação com as telenovelas está na escolha do elenco. Nomes que não necessariamente têm trajetórias sólidas no teatro, mas que servem à perfeição para criar essa “vitrine” de belos espécimes.

O lastro da linguagem televisiva em cena é subvertido pelo desenrolar do enredo e, também, pela encenação. Propositadamente, o cenário se constrói como um espaço em que todos estão continuamente presentes. “É um lugar em que eles se relacionam e não se relacionam ao mesmo tempo, em que fica explícita a relação banal que mantêm com os outros e com a própria vida”, crê Lavínia.

 

COVIL DA BELEZA

Teatro Augusta. Rua Augusta, 943, Consolação, 3151-4141. 6ª, às 21h30; sáb., às 21 h; dom., às 19 h. R$ 50/R$ 60. Até 27/10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.