Peça conta a trajetória do precursor da computação

Poucos sabem por que a Apple tem como símbolo uma maçã mordida com as cores do arco-íris. Trata-se de uma homenagem ao inglês Alan Turing (1912-1954), o criador do computador, que se suicidou mordendo uma maçã envenenada. Ele decifrou os códigos secretos alemães, durante a guerra, construindo uma imensa máquina, precursora dos computadores digitais. Por essa quebra de códigos, foi condecorado. Mas Turing era homossexual. E a quebra de outro código, de conduta, arruinou sua vida.Quebrando Códigos, peça que conta a história de Alan Turing, escrita por Hugh Whitemore, estréia hoje no Espaço Promon. No papel de Turing, o ator Carlos Palma, o mesmo do premiado solo Einstein, também ator e produtor de peças como Copenhagen e Perdida - Uma Comédia Quântica. Todas integram um projeto mais amplo, chamado Arte e Ciência no Palco, cujo objetivo é democratizar conhecimento científico por meio da linguagem teatral.Palma é também responsável pelo cenário que transporta os personagens para dentro de um computador - em evolução. O designer paulista Eduardo Gurman criou efeitos visuais - animações e projeções - que vão desde imagens de válvulas e cartões perfurados aos modernos PCs. No elenco, o parceiro de Copenhagen, Oswaldo Mendes; Rubens de Falco e Arllete Montenegro em participação especial; Flávia Pucci, Valdemar Dias Jr. e Edgar Bustamante.O diretor convidado, desta vez, é Roberto Vignati, que imprimiu ritmo ágil à montagem. "Toda a ação se passa na memória do protagonista, nos momentos que antecedem sua morte. Isso abriu as possibilidades de romper com o realismo", afirma do diretor. Logo na primeira cena, Turing morde a maçã envenenada. E, a partir daí, flashes de sua vida voltam à mente. E de sua fascinante perseguição do chamado "cérebro eletrônico".Quebrando Códigos. Direção Roberto Vignati. Duração 2h10 (com intervalo de 15 minutos). De quinta a sábado, às 21 horas; domingo, às 19 horas. R$ 30,00. Espaço Promon. Avenida Juscelino Kubitscheck, 1.830, tel. 3847-4111. Até 28/9.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.