Paz e Terra estreia projeto editorial em março

Foram seis meses de reformulações, período em que a Paz e Terra quase não teve novidades nas livrarias. A escassez chega ao fim no mês que vem, quando a editora mostra ao público sua nova fase. "Éramos uma editora universitária sem reitor, só tínhamos teses", diz o dono, Marcus Gasparian. Contratada como diretora editorial após 12 anos na Nova Fronteira, Izabel Aleixo trabalhou na criação de um selo de ficção, na entrada na área infantil e na reorganização das marcas Paz e Terra (focada em ciências sociais) e Graal (psicologia e exatas). A meta será lançar um título por segmento a cada mês. Best-seller da editora, Paulo Freire terá a obra toda reeditada, com quatro volumes já em março. Entre os infantis, sairão traduções de títulos premiados, e, na ficção, romances como O Que o Dia Deve à Noite, de Yasmina Khadra. Falta concluir uma etapa difícil: a análise dos 1.200 títulos da editora para saber o fica em cada selo e o que sai de catálogo - destino provável de obras datadas como Golpe de Estado - Um Manual Prático, de Edward Luttwak.

RAQUEL COZER, raquel.cozer@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2011 | 00h00

CADASTRO

ISBN via internet

A partir de terça, dia 1.º, ficará mais fácil o contato entre editoras e a Agência Nacional do ISBN (International Standard Book Number). A Fundação Biblioteca Nacional, agência do ISBN no Brasil, estreará um site para realizar esse atendimento. Ainda neste semestre, poderão ser feitos também pela internet cadastros de empresas e de obras, algo hoje possível apenas pelos correios.

GRAPHIC NOVEL

Clássico indie... e inédito

Uma das principais HQs independentes dos EUA nos anos 90, Ghost World, de Daniel Clowes, ganha enfim tradução no Brasil. Sai como Mundo Fantasma (foto)em abril, pela Gal Editora. A história de duas garotas que passam os dias criticando tudo e todos foi eleita uma das dez melhores graphic novels de todos os tempos pela Time e ganhou versão no cinema - em filme homônimo de 2001, que tornou Scarlett Johansson conhecida -, mas seguia inédita por aqui.

*

O livro saiu em Portugal em 2001 pela Devir, que não o lançou no Brasil. Maurício Muniz, editor da Gal, procurou a Fantagraphics Books para entender a razão. Descobriu que a obra foi licenciada há 11 anos no País por uma casa chamada Contato - que desapareceu - e, então, garantiu os direitos.

TRADUÇÃO

O resgate de Levrero

O uruguaio Mario Levrero (1940-2004), pouco conhecido fora de seu país, teve a obra resgatada nos últimos tempos em países como Argentina e Espanha, onde a Random House Mondadori relançou seus livros. Chegou a vez do Brasil. A Rocco adquiriu três de seus títulos de narrativas curtas: Deixem Todos em Minhas Mãos, Novela Luminosa e A Cidade (o primeiro da Trilogia Involuntária). Este último sai no segundo semestre, com tradução de Joca Reiners Terron.

ANTOLOGIA

Registros íntimos

O prolífico antologista Flávio Moreira da Costa está perto de concluir sua primeira "antologia da vida real", trabalho que lhe consumiu cinco anos. Trata-se de Intimidades Célebres: O Livro dos Diários, seleção de registros íntimos de grandes nomes. Entre os textos, há relato de H.L. Mencken sobre seus encontros com Al Capone e com Scott Fitzgerald em fase quase terminal de alcoolismo, e de Kierkegaard sobre seu método de sedução antes de abandonar as moças.

HISTÓRIA

Testamento de guerra

Uma análise da atuação francesa na 2.ª Guerra, A Derrota Estranha, do consagrado historiador Marc Bloch, sai em abril pela Zahar. Trata-se de um olhar próximo dos acontecimentos: Bloch morreu em 1944, torturado por nazistas, e o livro foi publicado apenas dois anos depois. Além de descrever o caos do front e as responsabilidades do país derrotado, a obra inclui uma espécie de "testamento" escrito em 1941 e um poema em que o autor satiriza o Exército francês.

LIVRARIA

Jeitinho inglês

Versão literária do "quero ter um milhão de amigos e que cada um deles me dê um real": a livraria independente Big Green, na Inglaterra, enviou uma newsletter aos seus mil mais fiéis compradores pedindo a cada um deles que compre um livro para garantir a sobrevivência da loja. Em tempos de Borders pedindo concordata, é uma saída.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.