Divulgação
Divulgação

Paulo Coelho lança 'Manuscrito encontrado em Accra', seu 22º livro

Obra contém versão própria do pergaminho descoberto em 1974 pelo arqueólogo Walker Wilkinson

Efe,

25 de julho de 2012 | 17h15

RIO DE JANEIRO - O escritor Paulo Coelho lançou nesta quarta-feira, 25, o livro Manuscrito Encontrado em Accra, sua 22ª obra e que contém uma versão própria do célebre pergaminho descoberto em 1974 pelo arqueólogo inglês sir Walker Wilkinson.

O romance, que terá 100 mil exemplares em sua primeira edição, estará à venda nas livrarias a partir desta quarta-feira, 25. O escritor, que já vendeu cerca de 140 milhões de livros em 168 países, tem seu trabalho reproduzido em 73 idiomas.

A data de lançamento da obra foi escolhida a dedo pelo autor devido ao dia de Santiago de Compostela, 25 de julho, e coincide também com o 25° aniversário da publicação "O diário de um mago", sua obra mais famosa, na qual relata uma peregrinação pelo Caminho de Santiago.

Manuscrito Encontrado em Accra é a primeira obra que o autor escreve após passar por uma cirurgia no coração, em janeiro. Paulo Coelho é integrante da Academia Brasileira de Letras e tem mais de 13 milhões de seguidores nas redes sociais.

Em seu novo livro, Paulo Coelho mistura realidade e ficção, narrando uma história do Manuscrito de Accra, que foi escrito em árabe, hebraico e latim. Na obra, contém um relato sobre os conselhos que um sábio grego deu à população de Jerusalém às vésperas da invasão da cidade.

"O livro é baseado em valores e os valores nunca são ficção. Atravessam o tempo", disse Coelho, de 65 anos, ao esclarecer que sua obra não pode ser catalogada nem como história nem como ficção.

"Distinguir fato e ficção é difícil não só para o escritor, mas também para qualquer pessoa. O livro não pretende explicar ou descrever os valores, mas mostrar como as perguntas que tínhamos há mil anos permanecem vivas; como foram explicadas há mil anos e como são explicadas hoje", contou o escritor durante entrevista divulgada pela editora Sextante.

"O verdadeiro conhecimento está nos amores vividos, nas perdas sofridas, nos momentos de crise e na convivência diária com a inevitável morte", completou o escritor, que mora em Genebra desde 2009.

Coelho afirma que o pergaminho existe, que sir Walter Wilkinson também existiu, e que teve acesso ao Manuscrito através do filho do arqueólogo, mas não deu mais informações sobre o assunto.

Segundo o escritor brasileiro, Wilkinson entregou o pergaminho ao Departamento de Antiguidades do Museu do Cairo e pouco tempo depois foi informado de que havia pelo menos 155 cópias do mesmo documento no mundo inteiro.

Porém, as provas de carbono dos especialistas confirmaram que o achado do arqueólogo inglês era o mais próximo ao original, datado em 1307.

"Conheci o filho de sir Walter Wilkinson no natal de 1982 no País de Gales, e recordo que na época ele mencionou o pergaminho, mas ninguém deu importância ao assunto. Em 30 de novembro de 2011, recebi uma cópia do texto. Este livro é a transcrição do Manuscrito Encontrando em Accra", explicou o brasileiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.