Paul McCastney e ex-mulher iniciam disputa sobre pensão

Paul McCartney e a ex-modelo HeatherMills vão se encontrar num tribunal britânico na segunda-feita,em sua disputa sobre qual o tamanho da fatia que ela abocanharáda fortuna do ex-Beatle. Depois de um casamento que durou menos de quatro anos,acredita-se que Mills vá pedir cerca de 30 milhões de librasesterlinas da fortuna de McCartney, estimada em 825 milhões delibras esterlinas. Peritos na legislação local dizem que McCartney, de 65anos, ofereceu menos da metade do que pediu Mills, de 40 anos.Eles têm uma filha, Beatrice. Sua briga na corte, a portas fechadas, deve durar cincodias e a previsão é que o juiz opte por um valor intermediárioentre o que ela pede e McCartney oferece. O caso, umas das maiores ações de divórcio levadas a umacorte britânica, deve estabelecer parâmetros legais sobrequanto cônjuges de pessoas muito abastadas podem obter depoisde casamentos relativamente curtos. A amarga separação do casal, acompanhada pelo duro clarãodos holofotes da mídia, terá suas etapas finais na Corte 34 daornamentada Corte Real de Justiça de Londres. Ali perto, aapenas duas cortes de distância, o colega roqueiro Mick Jaggerentrou em disputa com sua primeira mulher, Bianca, para umacordo de divórcio. No fim das audiências de McCartney-Mills, o juiz vai quasecertamente guardar em segredo sua avaliação do caso eapresentar a decisão por escrito em outra data. Mas o caso pode não terminar aqui. Qualquer um dos doispode contestar a decisão na Corte de Apelações ou mesmoencaminhar a questão para a Câmara dos Lordes, o principaltribunal da Grã-Bretanha. As duas opções têm desvantagens para McCartney e Mills --todas as audiências seriam realizadas a portas abertas. Em novembro passado, Mills rompeu com a empresa deadvocacia que a aconselhava no caso de divórcio. Ela tambémperdeu seu principal assessor de imprensa, que se demitiu antesde ela dar uma série de entrevistas emotivas à televisão sobreseu divórcio. "Tive 18 meses de total maltrato", disse Mills à GMTV, emuma entrevista na qual em vários momentos ela ficou comlágrimas nos olhos. Mills disse que a constante pressão dos tablóides hostisquase a levou ao suicídio. "Eles me chamaram de prostituta,caçadora de fortunas, pessoa fantasiosa, mentirosa, de coisasdolorosas inacreditáveis", ela disse. McCartney, aclamado na Grã-Bretanha como um ícone nacionalpor sua participação na mais famosa banda de música pop domundo, não quis responder aos comentários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.