Passagem de Som

ELE VAI VOLTAR

Lúcio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2010 | 00h00

A VERDADE SOBRE JIM MORRISON

Em Paris. Abriram as portas, novamente. A impressão que dá chegando à capital francesa e comprando revistas de música ou ouvindo as rádios locais de rock é a de que Jim Morrison está bem vivo e o grupo "francês" The Doors é contemporâneo a, digamos, Phoenix ou Air.

A estrear em Paris na próxima quarta, o documentário When You"re Strange, do diretor Tom DiCillo, resgata imagens raras de Jim Morrison e banda no palco, em ensaios e bastidores para montar o "verdadeiro filme sobre os Doors", nas palavras do tecladista Ray Manzarek e em detrimento da romanceada versão hollywoodiana The Doors, que Oliver Stone dirigiu em 1991.

Se Jim Morrison adotou Paris para morrer aqui, em 1971, aos 27 anos, a cidade, agora quase 40 anos depois, adota o documentário sobre os Doors para manter o grupo ainda vivo. E não só por conta da romaria hippie que até hoje vai depositar flores no túmulo do músico, em seu famoso endereço final, no cemitério de Père Lachaise.

Os franceses deram um subtítulo ao documentário When You"re Strange, narrado pelo ator Johnny Depp e sem data para estrear nas salas de cinema do Brasil: "Rock, Sexo e Poesia. A História de uma banda cultuada."

LIGHT MY FIRE

IMPRESSIONANTE!

A coluna conferiu uma sessão de When You"re Strange em Paris. A abertura já dá um frio na espinha ao mostrar um cara barbudo vagando a pé por uma estrada no deserto californiano. Era Jim Morrison, ele mesmo, que logo é visto dentro de um Mustang dirigindo em disparada. Em uma montagem, o Jim real liga o rádio e ouve a notícia de sua morte, em Paris, aos 27 anos. As imagens de Jim andando e ao volante, entre muitas outras, foram tiradas de sobras de um filme financiado pelo carismático cantor do Doors em 1969, chamado HMY: An American Pastoral.

PARIS EM CHAMAS

PARECE QUE TODO O MUNDO FOI PARA LÁ

Enquanto os festivais de verão não chegam com força em Paris, a cidade pulsa. Eventos de música eletrônica em parque bancado pelo governo, workshop de b-boys e hip hop clássico patrocinado pela Red Bull, tributo a Bob Marley, shows grandes, shows pequenos. O ultrapop Black Eyed Peas está na cidade, o Them Crooked Vultures vem chegando e nomes bons da nova cena, como Two Door Cinema Club e Beach House, circulam soltos. A veterana dupla Air está em cartaz na capital francesa com shows bem criativos.

CANADÁ-ESCÓCIA

DUAS BANDAS QUE FARIAM BEM AQUI

Ainda quase nada confirmado, mas tudo indica que em setembro quem aporta no Brasil é a barulhenta dupla indie-eletrônica experimental Crystal Castles, do Canadá. Sua vocalista nunca passa despercebida por onde anda. E outro que anunciou shows até o final do ano na América do Sul, Brasil incluído, é o idolatrado grupo escocês de sons delicados Belle & Sebastian, que já tocou aqui em 2001 e andava meio afastado da cena sem lançar nada desde 2006. O Belle & Sebastian é mais uma banda que prepara grande volta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.