Passagem de Som

LENHA NA FOGUEIRA

Lúcio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2010 | 00h00

A VOLTA METAL DO ARCADE FIRE

Uma das bandas mais apaixonantes da música independente desde que, assombrados pelas coincidentes mortes de pessoas próximas num mesmo período, lançaram logo na estreia o contundente álbum Funeral, em 2004, o grupo canadense Arcade Fire arma sua grande volta.

E, a julgar pela música nova que começou a circular nesta semana na internet, Month of May, com menos lirismo, menos violinos, menos jeitão barroco, mais... metal.

Month of May, rápida, veio à luz como novidade junto com The Suburbs, música que dá o título ao terceiro disco do grupo, previsto para ser lançado no exterior (leia-se Europa e EUA) na primeira semana de agosto.

Timing perfeito para uma grande volta: no final de agosto, o Arcade Fire enche de músicas novas suas apresentações no megafestival britânico Reading Festival (que tem uma etapa mais ao norte, em Leeds).

The Suburbs, o novo disco, vem suceder o marcante Neon Bible, que, quando lançado, em março de 2007, chegou a atingir o segundo posto de mais vendido da parada da revista Billboard, um feito para uma banda independente estranha, quase sempre triste e misteriosa. A cena pop já não respira direito esperando esse disco novo do Arcade Fire.

LUZ NA TRISTEZA

ARCADE COM OS OLHOS NO QUEENS

É o Arcade Fire, mas pode chamar de Queens of the Stone Age. A quase sorumbática banda canadense Arcade chega a 2010 veloz e pesada. A julgar, claro, por Month of May. Uma canção chamada Feels Good Hit of the Summer, do Queens, tem a mesma pegada da guitarra, repetida, rápida, com o vocal correndo por cima. Se você pega o trecho de Feels Good que fala de entorpecentes e coloca em Month of May dá um bom remix. A questão não é plágio, mas a guinada do Arcade para outros caminhos que não o da tristeza pop absoluta.

TERRA À VISTA

PHOENIX E PASSION PIT NO BRASIL

Duas das mais ensolaradas bandas do novo rock estão acertadas para compor o elenco internacional do festival Planeta Terra, que acontece no agitado segundo semestre brasileiro de shows. A francesa Phoenix e a americana Passion Pit, ambas frequentadoras dos principais eventos de música do mundo pelo menos nos últimos dois anos. O Phoenix, quarteto de Paris, vem ao Brasil pela segunda vez, a primeira foi em 2007. O Passion Pit, de Boston, vem no gás do álbum de estreia, Manners. O Planeta Terra será em 20 de novembro, no Playcenter.

ELES VÊM AÍ

OS CARAS DA GIRLS E AS MINAS DO MEN

Outra galera prepara entrada forte no Brasil em 2010. A partir de 10 de junho, as bandas Girls e Men, e mais para a frente o cantor Mark Lanegan, tocam em eventos em que este colunista está envolvido. A novíssima banda de meninos Girls (!) e as meninas do MEN (!!) se apresentam em SP (dia 10), Porto Alegre (11) e Rio de Janeiro (12). O vozeirão de Lanegan, que nos anos 90 liderou o Screaming Trees e andou cantando recentemente no Queens of the Stone Age, dá show na nova casa Comitê (Rua Augusta), dia 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.