Passado é recriado em campanha antipirataria

É difícil encontrar uma campanha contra a pirataria que realmente convença os usuários a mudarem as suas práticas.

Tatiana de Mello Dias - Link,

16 de setembro de 2012 | 18h06

A agência italiana TBWA resolveu arriscar. Chamou dois artistas, Mirco Pagano e Moreno De Turco, que em 200 horas recriaram imagens de sete ídolos musicais com 6,5 mil CDs.

"A pirataria destrói a música, impedindo artistas de fazerem sucesso e se tornarem ídolos como no passado. O reconhecimento deles está em risco", disse Pagano. Para ele, só os "CDs originais" permitem ao público entender e transformar os artistas em ícones reconhecidos universalmente.

Os artistas retrataram Bob Marley, Elvis Presley, Jim Morrison, Jimi Hendrix, Michael Jackson, James Brown e Freddie Mercury – todos ídolos já mortos de um tempo que também já morreu. Discos físicos já não são mais vendidos como no passado – e uma campanha contra a pirataria que tente defender o consumo de uma mídia decadente já nasce condenada ao fracasso.

Mas, concorde ou não com o ponto de vista de Pagano, que se prende ao modelo da tradicional venda de discos físicos, o trabalho ficou visualmente interessante – ou pelo menos deu uma nova utilidade aos Cds.

Tudo o que sabemos sobre:
piratariamúsicaCD

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.