#pasdebaguette

RIP o "ary-barroquismo" da nossa gente. Algumas instituições nacionais têm se desfeito com o tempo. Por onde anda o brasileiro inzoneiro, sorridente e feliz?

MARCELO RUBENS PAIVA, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2014 | 02h09

"Esse coqueiro que dá coco"? Custa os olhos da cara. "Onde amarro minha rede"? Cuidado com o arrastão, que não é de peixe. "Nas noites claras de luar"? Checou se o alarme está ligado? "Por essas fontes murmurantes onde mato a minha sede"? Racione, pois os reservatórios se encontram abaixo do nível.

Levantamento recente da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, que avaliou 156 países, indica que o Brasil ocupa a 24.ª posição quando o assunto é felicidade da população. Para a consultoria IMS Health, numa pesquisa encomendada em 2012, o Clonazepam aparece como o oitavo medicamento mais vendido nas farmácias do País; perde para o Neosoro, ícone da descongestão nasal, Ciclo 21 e Microvlar, anticoncepcional campeão absoluto na temporada de 2008, mas desbanca gigantes da automedicação, como Dorflex, Tylenol, Engov, melhor amigo de um boêmio, e o lendário e proustiano Hipoglós, que tem cheirinho de mamãe.

Do Laboratório Roche, o tranquilizante vem em forma de comprimidos e gotas, é indicado isoladamente ou como adjuvante no tratamento das crises epilépticas.

Ansiolítico, ajuda no tratamento de transtornos de ansiedade, distúrbio do pânico com ou sem agorafobia, transtornos de humor e afetivo bipolar, tratamento de mania e depressão maior, como adjuvante de antidepressivos na fase inicial.

Ainda segundo a bula, é empregado em síndromes psicóticas, tratamento da síndrome das pernas inquietas, da vertigem e sintomas relacionados à perturbação do equilíbrio, náuseas, vômitos, quedas, zumbidos, hipersensibilidade a sons (hiperacusia e hipoacusia), plenitude aural, tratamento da síndrome da boca ardente, e não deve ser usado por pacientes com histórico de sensibilidade aos benzodiazepínicos, insuficiência respiratória ou hepática grave.

Como causa depressão no Sistema Nervoso Central, não é recomendável realizar ocupações perigosas que requerem agilidade mental, operar máquinas ou dirigir veículos, nem o uso concomitante com álcool ou outras drogas.

Clonazepam é o princípio ativo do Rivotril, o tarja preta mais pop e idolatrado, tranquilizante do grupo dos benzodiazepínicos. Barato, vendido desde 1960, pode causar dependência. Por que o brasileiro está precisando dele?

Não viramos todos epiléticos. Andam em falta plenitude aural e astral. Adquirimos:

1. Agorafobia (fobia social), especialmente os que dependem de transporte público para ir e vir e ainda costumam cruzar com Black Blocs pelo caminho, negociando a passagem com a PM ou entrando numa agência para fazer operações em caixas eletrônicos.

2. Insônia, para se calcular o prejuízo que tomamos de serviços precários, impostos em cascata e desorganização do Estado.

3. Transtorno de humor, se ficamos parados num congestionamento, num avião que não sai do chão ou numa estrada interrompida por passarelas desabadas.

4. Zumbido, cercados por buzinas, obras irregulares, pancadões e vizinhos que tretam o tempo todo e não tomam Rivotril, Lexotan, Frontal, Maracugina, água com açúcar, nem chá de camomila.

5. Enjoos e náuseas, quando vemos pelos telejornais máfias do serviço público se esbaldarem com nossos impostos e a tática da polícia contra manifestações populares.

O brasileiro está inquieto e furioso. Odeia. Muitos odeiam. Muitos se odeiam no trânsito. Muitos odeiam políticos. Todos odeiam operadoras de celular e TV a cabo, companhias aéreas, servidores públicos, bancos, filas nos bancos, ladrões de bancos, lucros dos bancos, e tem os que odeiam e vandalizam bicicletas patrocinadas por bancos.

O ódio é disseminado por redes sociais, o paraíso de antissociais. Mas acredito que as pessoas odeiam odiar. Restará às autoridades uma saída: despejar, com o flúor, gotas de Rivotril nos reservatórios de água potável, para recuperarmos a plenitude astral e aural. Se houver água nos reservatórios.

Antes que eu me esqueça, odeio ser contrariado. Nem vem discordar do que escrevi.

*

RIP a "pátria de chuteiras". Outra instituição nacional é alvejada. O que é o movimento #naovaitercopa? Não vai ter? Quem disse? Está agendada. Não erraram a data? O movimento não deveria ter se manifestado antes de o Brasil anunciar a candidatura?

Claro que vai ter Copa, os estádios estão quase prontos. Temo pela integridade física e mental desses moleques mascarados, que imaginam barrar torcedores hooligans ingleses e alemães bêbados, russos barra-pesada, gregos, algerianos e argentinos "barra brava", iranianos, gregos, croatas, colombianos e coreanos, furiosos por terem desembarcados em aeroportos improvisados, que não têm trem nem metrô para a cidade, depois de pagarem passagens com preços abusivos, pegarem táxis que não falavam língua estrangeira e com preços abusivos, não acharem vagas em hotéis, apesar dos preços abusivos, e passarem horas em aviões cruzando o Brasil entre uma rodada e outra, matando a sede em botecos e restaurante com preços abusivos.

Não vai ter Copa no país que mais Copas ganhou? O único que esteve em todas as Copas e chegou a sete finais? É como se franceses organizassem o movimento social #pasdebaguette (nada de baguete), e americanos, #noturkeyonthanksgiving (sem peru no Thanksgiving).

Copa do Mundo não é brasileira, é no Brasil, é uma instituição mundial que amamos a cada quatro anos desde 1930. Fui sorteado e paguei pelos ingressos para a abertura, final, e pleiteio os das semifinais. Espero por esse momento desde quando nasci.

Entendo que queiram protestar contra os gastos abusivos, o trem-bala que não saiu, as promessas de obras de mobilidade urbana, que não passaram de promessas, e que não será a Copa das Copas, longe disso, que estaremos cercados por tapumes e obras superfaturadas, que é uma insanidade 13 cidades com 13 estádios, e que no final das contas a conta será paga pelo contribuinte, como sempre.

Mas então organizem o movimento #prestemcontas na porta do BNDES, não nas dos estádios, digo arenas. E se não foi a Copa das Copas, chequem quem assinou a Matriz de Responsabilidades e não arcou com as suas. As urnas eletrônicas serão abertas quatro meses depois.

Tudo o que sabemos sobre:
Marcelo Rubens Paiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.